Stephen Hawking descarta a existência de Deus em livro póstumo

 

STEPHEN Hawking falou do além-túmulo. E em uma brutal smackdown ele simplesmente “matou Deus” ao afirmar sobre as atuais leis da Física

Não há Deus, diz ele. Não há vida após a morte. Há apenas um pensamento positivo – ou assumir o controle do nosso próprio futuro. São afirmações do gênio da ciência das últimas décadas.

Hawking teve muito tempo para pensar. Preso em seu corpo em constante diminuição de suas capacidades motoras, ele deixou sua mente vagar pela vastidão do universo, o futuro da humanidade – e a existência de uma vida após a morte.

Stephen Hawking faleceu em março deste ano.

Ele formou algumas opiniões muito fortes sobre todos esses temas ao longo da vida e quando se trata de Deus, sua experiência pessoal o faz concluir que ele não existe.

Breves respostas para Grandes Perguntas em tradução livre, é o novo livro lançado de Stephen Hawking

“Deus não existe. Ninguém dirige o universo ”, escreve em Brief Answers to the Big Questions – uma reunião de artigos que ele estava escrevendo nos meses que antecederam sua morte.

“Durante séculos, acreditava-se que as pessoas com deficiência como eu estavam vivendo sob uma maldição que foi infligida por Deus”, acrescenta. “Prefiro pensar que tudo pode ser explicado de outra forma, pelas leis da natureza”.

Hawking havia questionado a existência de divindades antes. Mas desta vez ele estava mais decidido. Ele escreveu pouco antes de morrer que havia chegado à “profunda compreensão” de que não existiam seres supremos ou pós-vida.

“Antes de entendermos a ciência, o lógico era acreditar que Deus criou o Universo, mas, agora, a ciência oferece uma explicação mais convincente (…) Não há nenhum Deus. Sou ateu. A religião crê em milagres, mas esses não são compatíveis com a ciência”. A respeito disso, o cientista também se manifestou, confiante de que o homem, cedo ou tarde, vai entender a origem e a estrutura do universo: “Na verdade, agora mesmo, já estamos próximos de alcançar esse objetivo. Na minha opinião, não há nenhum aspecto da realidade fora do alcance da mente humana”.

“Cada um de nós é livre para acreditar no que queremos, e é minha opinião que a explicação mais simples é que Deus não existe”, diz ele.

“Ninguém criou o universo e ninguém direciona nosso destino. Isso me leva a uma profunda compreensão: provavelmente não há céu nem vida após a morte ”.

No lançamento de seu livro, a voz gerada por computador de Hawking leu em voz alta alguns resumos.

Sua filha, Lucy Hawking, disse: “Foi muito emocionante. Eu me afastei porque tinha lágrimas nos meus olhos. “Às vezes sinto que ele ainda está aqui porque falamos sobre ele e ouvimos a voz dele e vemos imagens dele, e depois temos a lembrança de que ele nos deixou.”

Hawking permaneceu pragmático até o fim.

“Eu acho que a crença na vida após a morte é apenas uma ilusão.”

“Não há nenhuma evidência confiável para isso, e isso vai contra tudo o que conhecemos na ciência. Eu acho que quando morremos, voltamos ao pó. Mas há uma sensação de que vivemos, em nossa influência e nos genes que transmitimos aos nossos filhos ”.

Em vez disso, ele colocou suas esperanças na própria humanidade.

“Lembre-se de olhar para as estrelas e não para os seus pés. Tente entender o que você vê e imagine o que faz o universo existir ”.

As respostas de Hawking que constam no livro, na verdade, foram compiladas usando décadas de entrevistas que o cientista concedeu sobre o tema, além de ensaios e discursos que foram selecionados com a ajuda de seus parentes e colegas de ciência. No livro, há declarações como: “Eu acho que o universo foi criado espontaneamente a partir do nada, de acordo com as leis da ciência”, “Se você aceita, como eu, que as leis da natureza são fixas, então não demorará muito para perguntar: que papel existe para Deus?” e “Se você gostar, pode dizer que as leis são a obra de Deus, mas isso é mais uma definição de Deus do que uma prova de sua existência”.

Big Bang e Espaço-Tempo: o antes não existe se não havia o espaço-tempo

Hawking foi um defensor ferrenho da teoria do Big Bang — ideia de que nosso universo e tudo o que existe nele começou a partir de uma singularidade extremamente densa, menor do que um átomo, que explodiu e, então, o que hoje chamamos de universo começou a se formar e se expandir. Da partícula, emergiu toda a matéria, energia e espaço vazio, com essa matéria-prima evoluindo para o cosmos que conhecemos hoje (e tudo isso seguindo um conjunto estrito de leis científicas, como as da gravidade, relatividade, física quântica, etc.).

Sendo assim, de acordo com os argumentos de Hawking que constam no livro, com o universo evoluindo numa espécie de piloto automático cientificamente guiado, o único papel de uma divindade seria apenas estabelecer as condições iniciais do universo para que as leis pudessem existir. Seria mais ou menos algo como uma pessoa programar uma série de linhas de códigos e, depois, somente observar os resultados de sua criação.

“Deus criou as leis quânticas que permitiram que o Big Bang acontecesse?”, questiona o físico, cuja resposta à própria pergunta foi: “Não tenho vontade de ofender alguém de fé, mas acho que a ciência tem uma explicação mais convincente do que um criador divino”. Ele explica que, nos estudos quânticos, é comum ver partículas subatômicas, como prótons e elétrons, aparentemente surgirem “do nada”, ficando ali por um tempo e depois desaparecendo ou reaparecendo em um lugar totalmente diferente. E como o universo um dia já foi do tamanho de uma partícula subatômica (a singularidade inicial), faz sentido pensar que ele tenha se comportado de maneira semelhante nos eventos que causaram o Big Bang — tudo isso na visão de Hawking, claro.

Aí vem outra questão: e quem criou a singularidade inicial? É aí que os religiosos apontam que só poderia existir um Deus para que isso tenha sido possível. Mas Hawking diz que a ciência também tem uma explicação, que pode estar na física dos buracos negros — estrelas colapsadas que são tão densas que absolutamente nada (nem mesmo a luz) é capaz de escapar de sua força gravitacional.

Colocando em outras palavras, os buracos negros (assim como o universo antes do Big Bang) se condensam em uma singularidade e, neste ponto, a gravidade é tão intensa que acaba distorcendo o tempo, a luz e o espaço. Ou seja: nas profundezas de um buraco negro, o tempo não existe. Sendo assim, como o universo justamente começou como uma singularidade (isto é, de acordo com a teoria do Big Bang), o tempo não poderia ter existido antes da explosão que deu início a tudo o que existe.

“Para mim, isso significa que não há possibilidade de um criador, porque não há tempo para um criador existir”, conclui o cientista. Claro, esses argumentos podem não ser suficientes para convencer crentes teístas de que Deus não existe, e há argumentos válidos dos dois lados (científico e religioso). Mas, enquanto cientista que dedicou toda uma vida à compreensão do cosmos, Hawking, de certa forma, procurou entender a “mente de Deus” — e, ainda que sua visão não contemple a existência de um criador divino como nas crenças religiosas, o cientista deixou para a humanidade ideias que remetem a conceitos como esperança, admiração e gratidão. “Temos essa única vida para apreciar o grande projeto do universo; e por isso sou extremamente grato” são as palavras que encerram o primeiro capítulo do livro em questão.

Desafios Fantásticos

Hawking estava confiante: “Vamos transcender a Terra e aprender a existir no espaço” mas não sem desafios. Suas últimas palavras reiteram seu medo de que a inteligência artificial supere a nossa em menos de 100 anos. E, uma vez que suas ambições começam a se dividir, as que podem criar uma crise que ameaça a sobrevivência da humanidade.

Mas ele tinha outro aviso sinistro: a civilização, como a conhecemos, está à beira de ser superada por super-humanos super-ricos. Nós temos a tecnologia. Ela não chegou a tempo de salvar o físico teórico de 76 anos, mas o imenso potencial para os humanos se reprojetarem ocupou muito dos pensamentos de Hawking em seus últimos dias. Ele os colocou no meio de uma coletânea de artigos sobre o que ele chamou de “as grandes questões” que enfrentam nosso futuro.

Eles serão postumamente publicados no final desta semana em Brief Answers to the Big Questions.

Super-Humano
CRISPR: Os cientistas aprenderam recentemente que a abordagem da edição de genes pode, inadvertidamente, eliminar e reorganizar grandes faixas de DNA de forma a pôr em risco a saúde humana.

“Tenho certeza de que, durante este século, as pessoas descobrirão como modificar a inteligência e os instintos, como a agressão”, escreve ele, e isso representa um problema.

A tecnologia está à frente. O sistema de edição de DNA CRISPR foi inventado apenas em 2012. Ele permite que fitas defeituosas de DNA sejam cortadas e substituídas. Também permite que módulos de DNA que controlam características, como aqueles que envolvem nossos olhos, sejam substituídos por versões aprimoradas.

Já tem a força de defesa na Austrália pensando em maneiras de aumentar a concentração, a consciência, a força, a resistência e a saúde de seus soldados e a corrida para o fornecimento de imortalidade – a um preço – está ganhando ritmo.

A natureza humana, diz Hawking, torna inevitável que aqueles que buscam uma “vantagem” para si mesmos, ou para seus filhos, abusem dessa tecnologia e os melhores colocados para isso terão muito dinheiro.

 A revolução da biotecnologia está aqui

“Leis provavelmente serão aprovadas contra engenharia genética com humanos”, ele escreve. “Mas algumas pessoas não resistirão à tentação de melhorar características humanas, como memória, resistência a doenças e duração da vida”.

A sociedade ocidental é construída em torno do conceito de progresso, direitos individuais e competição, então, o que acontece se um grupo já favorecido na sociedade se beneficiar de um campo de jogo inclinado ainda mais a seu favor?

“Uma vez que tais super-humanos apareçam, haverá problemas políticos significativos com humanos não melhorados, que não conseguirão competir”, escreve Hawking.

Ele também teme um retorno ao mundo fascista da Europa nazista, onde a reprodução seletiva – conhecida como eugenia – foi usada em uma tentativa de criar uma “raça dominante”.

Sabedoria, não inteligência

Não é a primeira vez que Hawking avisa a humanidade sobre os caminhos potencialmente sombrios que estão por vir. Ele foi uma voz alta no debate sobre as implicações da inteligência artificial.

Hawking deixou claro que temia que a lógica fria e calculista da máquina pudesse levá-los a tomar conta “para nosso próprio bem”.

“O desenvolvimento da inteligência artificial completa poderia significar o fim da raça humana”, alertou ele em 2014. Hawking não negou a utilidade da IA. Afinal, ele usou um para ajudar a traduzir seus pensamentos em palavras mas essa utilidade foi em si a ameaça mais significativa, alertou ele. Na corrida cada vez maior para produzir inteligência melhor, mais rápida e mais auto-didata do que a dos concorrentes – poderíamos criar um monstro.

“Ele decolaria por conta própria e se redesenharia a uma taxa cada vez maior”, disse Hawking.

“Os seres humanos, que são limitados pela lenta evolução biológica, não poderiam competir e seriam superados.”

Com informaçoes da Live Science e agências internacionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.