Como as Aldeias Verdes em Ruanda tem beneficiado os mais pobres

Uma abordagem inovadora para apoiar os mais pobres e mais vulneráveis em Ruanda está ajudando a abordar os problemas ambientais e alcançar metas de desenvolvimento ambiciosas, de acordo com o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas, UNDP (sigla em inglês).

As pessoas mais pobres e vulneráveis de Ruanda se beneficiaram do conceito “Aldeia Verde”, uma iniciativa do governo ruandês apoiada pelo UNDP, que visa enfrentar os crescentes desafios dos recursos naturais do país africano, incluindo a desflorestação, a erosão do solo, o acesso à água e uso insustentável da terra.

Também garante que os ruandeses mais pobres tenham acesso a residências, escolas, água, gás e eletricidade.

Os impressionantes 8% de crescimento econômico de Ruanda nos primeiros 14 anos do novo milênio ajudaram a impulsionar a recuperação após o genocídio de 1994, mas 40% da população ainda vive na pobreza.

As pessoas que vivem nas Aldeias Verdes, localizadas nas áreas rurais mais desfavorecidas, contam com coletores de água da chuva, saneamento melhorado, instalações de biogás e uma vaca livre por família.

O início

A primeira Vila Verde foi lançada na aldeia de Rubaya em 2011 pelo Presidente de Ruanda, Paul Kagame.

UNDP Ruanda/Gabrielle Tillberg

“O conceito do Green Village foi projetado para demonstrar como lidar com problemas ambientais relacionados à pobreza, como erosão do solo, acesso inadequado à água, desmatamento e uso insustentável da terra e energia limpa, entre outros, pode ajudar a atingir metas e prioridades nacionais de desenvolvimento”, disse Jan Rijpma. , Especialista Técnica Internacional para o projeto PEI.

A nova aldeia foi um grande sucesso. Essa abordagem integrada incluiu uma série de proteções ambientais e sociais que ajudaram as pessoas da comunidade a ganhar mais dinheiro, melhorar a nutrição e a segurança alimentar, proteger recursos naturais locais, enviar crianças à escola e construir uma casa em um país onde, apesar do imenso progresso quatro em cada dez crianças são cronicamente desnutridas, cerca de 40% da população ainda vive na pobreza, e novas ameaças da mudança climática, incluindo secas, inundações e padrões irregulares de chuvas estão colocando os meios de subsistência na mira.

Componentes de uma Vila Verde
  • Os reservatórios de água controlam o escoamento e asseguram que a água esteja disponível durante todo o ano. Isso gera benefícios de saúde e econômicos para as famílias das aldeias.
  • O saneamento melhorado diminui a prevalência de doenças transmitidas pela água e a perda de produtividade relacionada.
  • Novas práticas agrícolas, como terraços e técnicas de controle da erosão do solo, incluindo agrossilvicultura, estão sendo introduzidas para reduzir a perda de fertilidade do solo e melhorar a produtividade agrícola.
  • Uma vaca por família. Cada família recebeu uma vaca. Isso melhora a saúde e a segurança alimentar, gera renda para os agricultores que conseguiram vender o excesso de leite e contribui para o aumento da fertilidade do solo por meio da compostagem.
  • Os digestores de biogás fornecem às famílias um combustível limpo para cozinhar. O uso do biogás diminui o uso de madeira como combustível, evita o desmatamento, fornece estrume para o cultivo de plantas, aumenta a qualidade do ar interno e, assim, limita o impacto negativo da fumaça e partículas na saúde das famílias. Os digestores também impedem a poluição da água e combatem a prevalência de doenças transmitidas pela água.
  • Casas que duram. A construção de casas com telhado de ferro, cada uma cobrindo um espaço útil de 100m2, melhora a qualidade de vida e a sensação de segurança.
  • A captação de água de chuva é possível com os novos telhados de ferro.
  • Escolas estão sendo construídas perto das aldeias para aumentar a frequência escolar e melhorar as oportunidades educacionais para crianças pequenas, um componente essencial no fornecimento de novas oportunidades para as gerações vindouras.
A primeira experiência da Vila Verde
Solange Uwera, coordenadora do projeto da Vila Verde em Ruanda

A aldeia de Kabeza, no distrito de Gicumbi, foi o local do primeiro piloto Green Village of Rwanda. Solange Uwera é uma jovem vibrante que dirige a cooperativa.

“Eu me lembro de como éramos antes neste local, os pobres eram os mais pobres entre os pobres. Mas se você vê-los agora, eles parecem melhor. As condições de vida são melhores. Antes de termos problemas para acessar a água e problemas com a saúde. Mas agora temos o biogás, uma escola, um centro de saúde e água. Resolvemos todos esses problemas ”, afirmou Solange.

Sob a liderança de Solange e com o apoio do governo, as crianças estão indo para a escola. Os digestores de biogás significam que eles não precisam mais fazer longas caminhadas para coletar lenha.

“As crianças já não iam à escola porque também procuravam lenha. Nós tivemos que ir longe para pegar lenha. Às vezes não estaria seco e faria muita fumaça, o que não era saudável ”, disse Solange.

Com o excesso de leite produzido pelas vacas na aldeia, a cooperativa local também montou uma fábrica de iogurte.

“Graças ao apoio fornecido, agora estamos cultivando e obtendo mais culturas. Os rendimentos são maiores e vivemos em boas casas. E graças aos sistemas de coleta de água, as pessoas podem pegar água na aldeia e até abastecer e vender água para outras comunidades ”, disse Solange.

Escalonando as Vilas Verdes

Esta iniciativa provou ser uma solução sustentável no Ruanda rural, especialmente para segmentos vulneráveis ​​da população que vivem em condições difíceis, em encostas muito íngremes, sujeitas a deslizamentos de terra, em pequenas ilhas nos muitos lagos e, geralmente, em más condições econômicas com limitações infra-estrutura e serviços públicos. Os benefícios também foram ilustrados por um estudo que foi feito para a aldeia de Kabeza, e que provou que investir em Aldeias Verdes é custo-efetivo, ao levar em conta os benefícios sociais e ambientais. O estudo também estimou que o aumento de aldeias verdes irá gerar mais benefícios econômicos indiretos e levar a uma diminuição significativa da pobreza.

Outros doadores e o governo adotaram este modelo e investiram em aldeias de tipo semelhante, o que levou ao estabelecimento de cerca de 44 aldeias “verdes” e modelos no início de 2018. E existe uma meta nacional para alcançar pelo menos uma dessas aldeias em cada um dos 416 setores do país até 2024.

Mais recursos

Com o apoio do Programa de Apoio Global do Plano Nacional de Adaptação ao Meio Ambiente (NAP-GSP) do UNDP-ONU, o governo de Ruanda está trabalhando para integrar e acelerar as ações climáticas através de um melhor planejamento de adaptação. Saber mais

A “Redução da Vulnerabilidade às Mudanças Climáticas através do Estabelecimento de Sistemas de Alerta Rápido e Preparação para Desastres e Apoio ao Manejo Integrado de Bacias Hidrográficas em Áreas Sob Propensão”, financiada pelo GEF, visa reduzir a vulnerabilidade dos ecossistemas de Gishwati em Ruanda. Saber mais

Abaixo um vídeo  (em inglês) a respeito do programa: “A Iniciativa Pobreza-Ambiente: esverdeando do desenvolvimento humano” em tradução livre.

Com informações da ONU, da UNDP Ruanda, do The Green Villages of Rwanda

Colaboração de  Greg Benchwick com Jan Rijpma e UNDP Rwanda.