Google fecha acordo, enquanto Facebook bloqueia notícias na disputa de mídia na Austrália

Uma nova proposta de lei está gerando respostas totalmente diferentes dos gigantes da tecnologia.

Google e Facebook estão adotando abordagens totalmente diferentes para uma proposta de medida legal australiana que exigiria que eles pagassem aos editores pelo uso de seu conteúdo.

Na quarta-feira, a News Corp. de Rupert Murdoch assinou um acordo de três anos a ser pago pelo Google por seu conteúdo de notícias. Segue-se um acordo anterior com a Seven West e um esperado acordo com a Nine Entertainment, ambas gigantes da mídia australiana. Os acordos são projetados para ajudar o Google a cumprir uma proposta de lei australiana que poderia exigir que ele pague por artigos divulgados por seu mecanismo de busca.

No mesmo dia, o Facebook disse que impediria que editores e usuários australianos compartilhassem notícias na rede social.

“A lei proposta interpreta mal a relação entre nossa plataforma e os editores que a usam para compartilhar conteúdo de notícias”, escreveu William Easton, que administra as operações do Facebook na Austrália e na Nova Zelândia, em um blog. “Isso nos deixou diante de uma escolha difícil: tentar cumprir uma lei que ignora a realidade dessa relação ou parar de permitir conteúdo de notícias em nossos serviços na Austrália. Com o coração pesado, estamos escolhendo a última opção.”

As abordagens totalmente diferentes das duas gigantes da tecnologia ocorrem quando o governo australiano considera o Código de Negociação da Mídia de Notícias, que forçaria as empresas a pagar aos editores de notícias pelo uso de seu conteúdo. O debate sobre a proposta cresceu tanto que o Google ameaçou retirar seu produto de busca do país. Na semana passada, um comitê do Senado recomendou que o projeto, que também cobre o Facebook, passe pelo Parlamento e se transforme em lei.

Os acordos do Google podem ser precursores de acordos de licenciamento semelhantes em todo o mundo. Um membro do Parlamento Europeu disse à CNET na semana passada que espera integrar medidas semelhantes às do código da Austrália na legislação futura, e um ministro canadense citou o exemplo da Austrália como motivo para pressionar o Google e o Facebook a pagar as editoras em seu país.

“Se a Austrália for bem-sucedida em aprovar a lei e mostrar que ela funciona, pode ser um precedente para outros”, disse Daniel Gervais, professor de direito da Universidade Vanderbilt, “para o Canadá, Nova Zelândia e talvez outros.”

O Facebook disse que o código não leva em consideração o papel da rede social em direcionar os leitores às editoras. Na postagem do blog, Easton diz que o conteúdo de notícias é menos de 4% do que as pessoas veem em seus feeds de notícias, mas no ano passado “gerou aproximadamente 5,1 bilhões de referências gratuitas para editores australianos no valor estimado de AU $ 407 milhões ($ 315 milhões).”

Caso se torne lei, o código dará ao Google e ao Facebook 90 dias para chegar a acordos de licenciamento com editores australianos qualificados para o conteúdo de notícias que aparece nos resultados de pesquisa do Google e no feed do Facebook. Se nenhum acordo for feito, os árbitros nomeados pelo governo darão uma decisão vinculativa sobre quanto os titãs da tecnologia pagarão. O Google teme que isso possa resultar no pagamento de links de busca do Google, que argumentava que abandonariam os princípios de uma Internet aberta.

Google News Showcase

Os acordos com as empresas de mídia da Austrália estão sendo feitos por meio do Google News Showcase, uma iniciativa global por meio da qual o Google comprometeu US$ 1 bilhão a editores de notícias. Os meios de comunicação que se inscrevem no News Showcase são pagos para fornecer uma lista selecionada de histórias a serem exibidas nos aplicativos do Google Notícias. Além da Austrália, o News Showcase está ativo no Reino Unido, Brasil, França e Alemanha.

O Google diz que “investiu significativamente” em ajudar organizações de notícias, incluindo US$ 1 bilhão em parcerias por meio do News Showcase. A empresa possui parcerias com mais de 500 publicações.