Professor de Planejamento Urbano diz que pandemia irá forçar que ricos se isolem ainda mais

Mesmo depois que a pandemia de coronavírus se vá e seja mais uma vez seguro se reunir com outras pessoas, a sociedade pode nunca mais ser a mesma.

Patrick Condon, professor da Escola de Arquitetura e Paisagismo da Universidade da Colúmbia Britânica, disse para a CBC (Rádio Canadense) no fim de abril/2020 que lugares de maior densidade, como edifícios de condomínios no centro de Toronto ou Vancouver, geralmente não são epicentros de COVID-19 porque as pessoas que ocupam esses imóveis de alto luxo têm o “luxo de trabalhos que podem ser feitos em casa”.

O Futuro das cidades

O professor prevê que nossas cidades se tornarão ainda mais estratificadas por classe socioeconômica. Em um comunicado de imprensa da universidade, ele prevê em um futuro próximo no qual aqueles com os meios para fazê-lo se retirem para suas residências particulares, longe da infraestrutura pública com transporte precário e dos escritórios fechados enquanto os que são empregados continuariam trabalhando remotamente.

Propriedade privada

E, à medida que os ricos se afastam do resto da sociedade, Condon prevê que aplicativos de mobilidade e carros particulares ultrapassarão ainda mais trens e ônibus em uso.

“Os ricos se afastarão ainda mais atrás da proteção de porteiros e vigilantes particulares e em condomínios fechados”, disse Condon no comunicado.

“Carros higienizados com motoristas de plantão. Todos os outros terão mais medo de qualquer contato público, pelo menos por vários anos, se não uma década ou mais. ”

Longa distância

Condon argumenta que a desigualdade habitacional deve ser tratada, caso contrário, seu declínio previsto nos sistemas de transporte público pode significar condenação para os trabalhadores que não podem se dar ao luxo de viver nas cidades onde trabalham.

“Em tempos de pandemia, essa desigualdade é cada vez mais evidente”, disse ele, “porque coloca em risco o deslocamento dos trabalhadores e interfere no bom funcionamento da cidade”.

Recomendações de curto prazo

Uma das recomendações de Condon para o Canadá pós-pandemia é que as principais áreas metropolitanas do país examinem suas oportunidades de moradia e ofereçam a todos a capacidade de viver dentro da cidade.

“Como sociedade, não estamos reconhecendo que é mais saudável e mais acessível colocarmos as moradias onde as pessoas querem”, disse ele.

“Assumimos que é normal percorrermos longas distâncias, mas esse é realmente um fenômeno relativamente recente e está piorando em termos de deslocamentos demográficos e da desigualdade de pessoas que ganham menos dinheiro vivendo nos subúrbios”.

Na entrevista à rádio, Condon espera que a pandemia “revele a idiotice de nossos sistemas urbanos atuais”.

Com informações :

University of British Columbia: The post-pandemic city: Expert on how the coronavirus will impact future cities 

Rádio CBC: ‘Idiocy of our current urban systems’: Inequality, not high-density cities, to blame for COVID-19’s spread