A Islândia é o primeiro país a aplicar a igualdade de remuneração entre mulheres e homens

A Islândia tornou-se o primeiro país do mundo a obrigar as empresas a provar que pagam a todos os empregados o mesmo.

A nova lei, que entrou em vigor no dia de Ano Novo, significa que toda empresa com 25 ou mais funcionários deve ter um certificado mostrando que eles pagam a todos nos mesmos papéis igualmente – não importa o gênero, a sexualidade ou a etnia.

“Acho que agora as pessoas estão começando a perceber que este é um problema sistemático que temos que enfrentar com novos métodos”, disse Dagny Osk Aradottir Pind, da Associação Islandesa dos Direitos da Mulher.

“As mulheres têm conversado sobre isso há décadas, e eu realmente sinto que conseguimos conscientizar e conseguimos chegar ao ponto em que as pessoas percebem que a legislação que temos em vigor não está funcionando, e precisamos faça algo mais. “

A nova lei atraiu elogios de todo o mundo nas mídias sociais.

Bjarni Benediktsson, o ex-primeiro-ministro da Islândia, fez o anúncio no Dia Internacional da Mulher no ano passado, acrescentando que o país quer erradicar as disparidades salariais entre 2022. Desde então, a Islândia elegeu a primeira-ministra Katrin Jakobsdottir. da página com seu gabinete, que assumiu o cargo em novembro passado.

Na época, o ministro da Igualdade e Assuntos Sociais da Islândia, Thorsteinn Viglundsson, disse: “Direitos iguais são direitos humanos. Precisamos ter certeza de que homens e mulheres desfrutam de oportunidades iguais no local de trabalho. É nossa responsabilidade tomar todas as medidas para alcançar esse objetivo.”

A Islândia introduziu anteriormente uma quota que significa que as empresas com mais de 50 empregados têm de ter um mínimo de 40% de mulheres nos seus conselhos.

Fonte: OCDE

Além disso, quando se trata de igualdade de gênero, a Islândia é classificada como a melhor do mundo. É o primeiro lugar há nove anos consecutivos, de acordo com o Fórum Econômico Mundial. No entanto, as mulheres ainda ganhavam cerca de 14% menos que os homens.

25.000 mulheres em greve reuniram-se em Reykjavik para o Dia da Mulher. (Arquivos de História das Mulheres da Islândia)

Em 1975, as mulheres da Islândia entraram em greve por causa da desigualdade, deixando seus parceiros para cuidar das crianças, cozinhar e limpar.

Cinco anos depois, o país votou na primeira mulher líder democraticamente eleita do mundo. Agora, todos os anos para marcar a greve, as mulheres deixam seus locais de trabalho e casas e se reúnem na praça central de Reykjavik, exigindo mudanças.

Agora parece que eles poderiam tê-lo.