Noruega é o país mais feliz do mundo em 2017

A Noruega reivindicou o primeiro lugar como o país mais feliz do planeta, derrotando a vizinha escandinava Dinamarca, constatou o Relatório Mundial da Felicidade. O relatório também observou que os alemães estão mais felizes, mas os americanos estão tristes.

Um novo relatório divulgado na segunda-feira deu aos noruegueses algo para comemorar – se eles já não estivessem sorrindo. O país escandinavo saltou três lugares para reivindicar o título de país mais feliz do mundo, de acordo com o último Relatório de Felicidade Mundial divulgado na segunda-feira.

A Noruega derrotou a Dinamarca, que ficou em segundo lugar neste ano, seguida por Islândia e Suíça.

Os quatro principais países pontuaram alto em fatores que o relatório diz serem fundamentais para a felicidade, incluindo: “cuidado, liberdade, generosidade, honestidade, saúde, renda e boa governança”, disse o relatório.

“O que funciona nos países nórdicos é um senso de comunidade e compreensão do bem comum”, disse Meik Wiking, diretor executivo do Happiness Research Institute em Copenhagen à Associated Press. Wiking não fez parte do estudo científico global de segunda-feira.https://platform.twitter.com/embed/index.html?creatorScreenName=thinkonomics&dnt=true&embedId=twitter-widget-0&frame=false&hideCard=false&hideThread=false&id=843731239278432256&lang=pt&origin=http%3A%2F%2Fthinkonomics.com.br%2F2017%2F03%2F1195%2Fnoruega-e-o-pais-mais-feliz-do-mundo-em-2017%2F&theme=light&widgetsVersion=ed20a2b%3A1601588405575&width=550px

O principal autor do relatório, John Helliwell, observou que descobriram que é preciso mais do que dinheiro para fazer as pessoas felizes.

“São as coisas humanas que importam. Se as riquezas tornam mais difícil ter um relacionamento frequente e confiável entre as pessoas, vale a pena?” disse Helliwell, que também é economista da Universidade de British Columbia, no Canadá.

“O material pode atrapalhar o ser humano.”

Pobreza, países atingidos por conflitos no fundo

Embora um senso de comunidade possa ajudar as pessoas, alguma quantia de dinheiro e segurança são necessárias para se sentir feliz. A maioria dos países no final da lista vive em extrema pobreza.

A República Centro-Africana ficou em último lugar na lista da felicidade, acompanhada por Burundi, Tanzânia, Síria e Ruanda.

O Iêmen, um país duramente atingido pela guerra civil e com milhões de pessoas correndo o risco de morrer de fome, também ficou entre os dez piores.

Vermelho, branco e azul claro

A Alemanha manteve-se na mesma posição do ano passado – ocupando a 16ª posição na lista sob a Irlanda, mas acima da Bélgica.

O último relatório mostra, no entanto, que as pessoas na Alemanha estão constantemente se classificando como mais felizes em comparação com os anos anteriores.

Os Estados Unidos, por outro lado, ficaram em 14º lugar na lista, caindo uma posição em relação ao ano passado. O relatório também descobriu que a pontuação de felicidade dos Estados Unidos caiu 5% na última década, pois as pessoas estão se classificando como felizes.

As pontuações de felicidade da Nicarágua e da Letônia foram as que mais aumentaram.

O relatório, que foi lançado para coincidir com o Dia Mundial da Felicidade, classifica 155 países. A lista é utilizada pelas Nações Unidas desde 2012, quando o Butão garantiu apoio a uma proposta de reconhecimento da felicidade como princípio norteador de políticas públicas.

Fonte: World Happiness Report (2017)