Telescópio James Webb tira retrato cheio de estrelas dos “Pilares da Criação”

O Telescópio Espacial James Webb da NASA capturou uma paisagem exuberante e altamente detalhada – os icônicos Pilares da Criação – onde novas estrelas estão se formando dentro de densas nuvens de gás e poeira. Os pilares tridimensionais parecem formações rochosas majestosas, mas são muito mais permeáveis. Essas colunas são compostas de gás interestelar frio e poeira que parecem – às vezes – semitransparentes na luz infravermelha.

A nova visão de Webb dos Pilares da Criação, que ficaram famosos pela primeira vez quando fotografados pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA em 1995, ajudará os pesquisadores a reformular seus modelos de formação de estrelas, identificando contagens muito mais precisas de estrelas recém-formadas, juntamente com as quantidades de gás e poeira na região. Com o tempo, eles começarão a construir uma compreensão mais clara de como as estrelas se formam e saem dessas nuvens empoeiradas ao longo de milhões de anos.

Estrelas recém-formadas são os ladrões de cena nesta imagem da câmera infravermelha de Webb (NIRCam). Estes são os orbes vermelhos brilhantes que normalmente têm picos de difração e ficam do lado de fora de um dos pilares empoeirados. Quando nós com massa suficiente se formam dentro dos pilares de gás e poeira, eles começam a entrar em colapso sob sua própria gravidade, aquecem lentamente e, eventualmente, formam novas estrelas.

E aquelas linhas onduladas que parecem lava nas bordas de alguns pilares? Estas são ejeções de estrelas que ainda estão se formando dentro do gás e da poeira. Estrelas jovens disparam periodicamente jatos supersônicos que colidem com nuvens de material, como esses pilares grossos. Isso às vezes também resulta em choques de proa, que podem formar padrões ondulados como um barco faz quando se move pela água. O brilho carmesim vem das moléculas energéticas de hidrogênio que resultam de jatos e choques. Isso fica evidente no segundo e terceiro pilares a partir do topo – a imagem do NIRCam está praticamente pulsando com sua atividade. Estima-se que essas estrelas jovens tenham apenas algumas centenas de milhares de anos.

O Telescópio Espacial Hubble da NASA tornou os Pilares da Criação famosos com sua primeira imagem em 1995, mas revisitou a cena em 2014 para revelar uma visão mais nítida e ampla na luz visível, mostrada acima à esquerda. Uma nova visão de luz infravermelha próxima do Telescópio Espacial James Webb da NASA, à direita, nos ajuda a observar mais poeira nesta região de formação de estrelas. Os espessos e empoeirados pilares marrons não são mais tão opacos e muitas outras estrelas vermelhas que ainda estão se formando aparecem.
Créditos: NASA, ESA, CSA, STScI; Joseph DePasquale (STScI), Anton M. Koekemoer (STScI), Alyssa Pagan (STScI).

Embora possa parecer que a luz infravermelha próxima tenha permitido que Webb “perfurasse” as nuvens para revelar grandes distâncias cósmicas além dos pilares, quase não há galáxias nesta visão. Em vez disso, uma mistura de gás translúcido e poeira conhecida como meio interestelar na parte mais densa do disco da nossa Via Láctea bloqueia nossa visão de grande parte do universo mais profundo.

Esta cena foi fotografada pela primeira vez pelo Hubble em 1995 e revisitada em 2014, mas muitos outros observatórios também observaram profundamente esta região. Cada instrumento avançado oferece aos pesquisadores novos detalhes sobre essa região, que está praticamente transbordando de estrelas.

Esta imagem bem recortada é definida dentro da vasta Nebulosa da Águia, que fica a 6.500 anos-luz de distância.

Sobre o autor