Egito transporta barco do Rei Khufu de 4.600 anos para novo museu

Durante as primeiras horas da manhã de sábado, o Grande Museu Egípcio recebeu o primeiro navio do Rei Khufu, 48 horas após o início do processo de movê-lo de sua exibição na área de antiguidades da pirâmide para o Grande Museu Egípcio.

Barcos solares foram enterrados em fossos próximos às câmaras mortuárias reais na crença de que transportariam os mortos para a vida após a morte.

A Grande Pirâmide do Cairo – também conhecida como Pirâmide de Quéops – é a maior das três pirâmides de Gizé e abriga a tumba de Khufu.

“Depois de … cruzar as ruas de Gizé em um veículo inteligente, o primeiro barco do Rei Khufu descoberto em 1954 no canto sul da Grande Pirâmide encerrou sua longa jornada para o Grande Museu Egípcio (GEM)”, uma declaração do ministério disse.

A múmia do rei Ramsés IX é transportada em um comboio do Museu Egípcio em Tahrir para o Museu Nacional da Civilização Egípcia em Fustat, no Cairo, Egito, em 3 de abril de 2021. (Reuters)

O barco foi encomendado por Khufu, um monarca da Quarta Dinastia que governou durante o Império Antigo.

O ministério gabou-se de que o barco solar de 42 metros de comprimento e 20 toneladas é “o maior e mais antigo artefato orgânico feito de madeira da história da humanidade”.

A viagem em um veículo especial de controle remoto importado da Bélgica começou na noite de sexta-feira e durou 10 horas, informou a agência de notícias oficial MENA.

O Egito elogiou a inauguração antecipada do GEM no planalto de Gizé, lar das famosas pirâmides, como um importante marco arqueológico que abriga suas mais preciosas antiguidades.

Uma visão do processo de realocação da Barca Solar do Faraó Khufu (Quéops) conforme ela é movida da Necrópole das Pirâmides de Gizé para seu novo local de descanso no Grande Museu Egípcio nas proximidades. (AFP)

A embarcação foi transportada intacta em sua jornada de 7,5 quilômetros e deve ser uma das estrelas da exibição quando o novo museu for inaugurado.

Estava em exibição perto da Grande Pirâmide.

O Egito depositou suas esperanças em uma série de recentes descobertas arqueológicas para reviver seu setor de turismo vital, mas enfermo, que sofreu vários choques, desde o levante de 2011 até a pandemia de coronavírus de hoje.

Em abril, as autoridades moveram os restos mortais mumificados de 22 faraós do icônico Museu Egípcio do Cairo em uma cerimônia grandiosa para o Museu Nacional da Civilização Egípcia na cidade.

Em um evento televisionado cuidadosamente coreografado, o presidente Abdel Fattah al-Sisi saudou os caixões que incluíam as múmias de Ramsés II e da Rainha Hatshepsut.

Confira o vídeo abaixo, disponibilizado pelo Ministério do Turismo e Antiguidades do Egito, publicado no Twitter.

Com informações da BBC, Reuters, DW