Como suecos e noruegueses tiraram o poder dos 1% mais ricos sem usar a violência?

 

A Suécia e a Noruega experimentaram uma grande mudança de poder nos anos 1930, após prolongada luta não violenta.

Enquanto muitos de nós estão trabalhando para garantir que o movimento Ocuppy tenha um impacto duradouro, vale a pena considerar outros países onde as massas de pessoas conseguiram, de forma não-violenta, alcançar um alto grau de democracia e justiça econômica. Suécia e Noruega experimentaram uma grande mudança de poder nos anos 1930, após prolongada luta não violenta. Eles “demitiram” o 1% das pessoas que definia a direção da sociedade e criaram a base para algo muito diferente. Resultado? Hoje líderes no IDH do Planeta.

Ranking do Índice de Desenvolvimento Humano de 2018

Da Fome ao Desenvolvimento

Ambos os países tinham uma história de pobreza horrenda. Quando o 1% estava no comando, centenas de milhares de pessoas emigraram para evitar a fome. Sob a liderança da classe trabalhadora, no entanto, ambos os países construíram economias robustas e bem sucedidas que quase eliminaram a pobreza, expandiram a educação universitária gratuita, aboliram as favelas, forneceram excelentes cuidados de saúde disponíveis para todos, e criaram um sistema de pleno emprego. Ao contrário dos noruegueses, os suecos não encontraram petróleo, mas isso não os impediu de construir o que o mais recente CIA World Factbook chama de “um padrão de vida invejável”.

Nenhum dos países é uma utopia, como os leitores dos romances policiais de Stieg Larsson, Henning Mankell e Jo Nesbø saberão. Autores de esquerda críticos como esses tentam forçar a Suécia e a Noruega a continuar no caminho em direção a sociedades mais justas. No entanto, um ativista americano que conheceu a Noruega como estudante em 1959 e aprendeu um pouco de sua língua e cultura, as conquistas que encontrei me surpreenderam. Entrevistado, George Lakey, lembra, por exemplo, de andar de bicicleta por horas através de uma pequena cidade industrial, procurando em vão por habitações precárias. Às vezes resistindo à evidência dos seus olhos, inventou histórias que “explicavam” as diferenças que via: “pequeno país”, “homogêneo”, “um consenso de valor”. Lakey finalmente desistiu de impor suas estruturas nesses países e aprendeu a razão real: suas próprias histórias.

Lakey começou a aprender que os suecos e os noruegueses pagavam um preço por seus padrões de vida por meio da luta não violenta. Houve uma época em que os trabalhadores escandinavos não esperavam que a arena eleitoral pudesse entregar a mudança em que acreditavam. Eles perceberam que, com o 1% no comando, a “democracia” eleitoral estava contra eles, então uma ação direta não-violenta era necessária para exercer o poder de mudança.

Nos dois países, as tropas foram chamadas para defender o 1%; pessoas morreram. O premiado cineasta sueco Bo Widerberg contou vivamente a história sueca em Ådalen 31 (disponível no YouTube), que mostra os grevistas mortos em 1931 e o desencadear de uma greve geral nacional. (Você pode ler mais sobre este caso em uma entrada de Max Rennebohm no Banco de Dados de Ações Não-Violentas Globais.)

A greve geral na Suécia

A greve geral em Ådalen, na Suécia, em 1931, fazia parte de uma luta industrial muito maior entre a Federação Sueca de Empregadores (SAF) e a Federação Sueca da União (LO), uma luta que vinha ocorrendo desde o final do século 19, se não há muito mais tempo

Depois de uma greve geral fracassada em 1909, o LO perdeu muitos membros e o equilíbrio de poder mudou em favor do SAF. Negociações e cooperação entre as duas organizações diminuíram devido à descentralização da liderança da LO. Durante o crescimento econômico da Primeira Guerra Mundial, a filiação da LO cresceu rapidamente e a LO recuperou o poder durante a década de 1920. Enquanto a SAF tentou reduzir os salários com bloqueios coordenados em todos os setores, a LO conseguiu resistir usando os recursos de uma ampla base de membros para apoiar os trabalhadores afetados por cada bloqueio. Um acordo após um bloqueio com falha em 1925 efetivamente pôs fim à eficácia dos bloqueios em conflitos trabalhistas suecos.

O governo nacional também buscava sua própria fatia de poder nas relações industriais, uma vez que o conflito industrial afetou fortemente a economia nacional. O Partido Conservador procurou a dissolução dos sindicatos trabalhistas. Os liberais, um partido que era a favor da economia de mercado livre e do governo limitado, queriam restrições contra trabalhadores e empregadores. Os social-democratas estavam alinhados com a LO e promoviam os direitos dos trabalhadores. Os conservadores e liberais, juntos, detinham maioria no parlamento nacional.

Em 1928, dois eventos importantes ocorreram. A LO e a SAF realizaram uma Conferência de Paz Trabalhista na qual decidiram criar um conselho de paz trabalhista com membros da LO, da SAF e do governo. Eles, por sua vez, criaram um conselho menor para monitorar o conflito industrial. Também em 1928, o governo criou um Tribunal do Trabalho para impor acordos coletivos. O tribunal beneficiou os interesses dos empregadores.

A grande depressão chega à Suécia

Além disso, a depressão econômica atingiu a Suécia em 1930, acentuando ainda mais as relações trabalhador-empregador e aumentando o desemprego, enquanto os empregadores trabalhavam para cortar custos.

No outono de 1930, a direção de uma serraria em Lunde, no vale de Ådalen, anunciou cortes salariais para todos os trabalhadores. Em resposta, os trabalhadores começaram uma greve.

Os trabalhadores continuaram a greve no outono, fechando o moinho. O diretor da usina Lunde também tinha investimentos em outras duas fábricas de celulose em cidades próximas. Em janeiro de 1931, os trabalhadores dessas duas fábricas iniciaram uma greve de solidariedade. Enquanto isso, os trabalhadores e a direção mantinham negociações em andamento.

Axel Nordström, um líder comunista, foi um dos líderes da campanha de greve e os trabalhadores também tinham laços com a LO.

Em 12 de maio, quando a direção convocou os fura-greves para começar a trabalhar nas três fábricas, os líderes da greve imediatamente enviaram panfletos contra os fura-greves. Esses líderes também pediram mais protestos, paralisações em outros setores, manifestações em massa e uma reunião marcada para o dia seguinte.

O governo do condado ordenou que a polícia protegesse os fura-greves e enviou vários oficiais para a reunião. No encontro, Axel Nordström pediu manifestações, mas não apoiou a violência contra os fura-greves. Os grevistas decidiram marchar e manifestar em uma das fábricas onde os trabalhadores realizavam uma greve de solidariedade. Uma vez na fábrica, outro líder falou e uma banda tocou a música-tema dos trabalhadores. Os manifestantes decidiram que expulsariam os fura-greves.

A polícia pediu a Nordström para impedir que os manifestantes ferissem os fura-greves, mas ele não estava mais no controle da situação. Os manifestantes puxaram os grevistas da fábrica e infligiram ferimentos leves. Os grevistas então escolheram realizar outra reunião no dia seguinte e segui-lo com uma marcha até a fábrica em Lunde, onde a greve havia começado. Eles continuaram protestos naquele dia, jogando pedras no quartel dos fura-grevess e cortando a eletricidade para a cidade de Lunde.

O governo do condado precisava de ajuda para lidar com os grevistas. Sessenta soldados nacionais foram a Ådalen naquela noite. Os manifestantes jogaram pedras nos soldados quando chegaram. Em Lunde, os soldados usaram granadas de fumaça e dispararam tiros de advertência para dispersar os manifestantes.

O dia 14 de maio foi feriado, quando 4000 grevistas se encontraram em um parque público. Líderes de greve se reuniram sozinhos, antes da reunião em massa, para discutir os fura-greves e a presença militar. Eles decidiram convocar uma greve geral em toda a região. Durante a reunião dos líderes, os funcionários do parque ficaram agitados e iniciaram a marcha antes mesmo de os líderes chegarem. A marcha era ordenada e os trabalhadores andavam em quatro colunas, formando uma linha de um quilômetro de comprimento. Na linha de frente, eles seguravam faixas e bandeiras e uma banda tocava. Esta marcha foi feita de modo totalmente pacífico.

Naquele mesmo dia, o governo provincial havia concordado em colocar uma proibição nos fura-greves, impedindo seu trabalho nas fábricas. No entanto, os funcionários do governo não entregaram esta notícia aos manifestantes que continuaram sua marcha em protesto contra os fura-greves.

Exército usa as armas de fogo

Os soldados ordenaram que os grevistas parassem perto da fábrica, mas os manifestantes continuaram, reivindicando o direito de se manifestarem. Os soldados abriram fogo, matando cinco grevistas e ferindo outros cinco.

As fotografias do incidente e dos meios de comunicação divulgam rapidamente a notícia desses eventos. Tanto a violência repressiva quanto a cobertura da mídia foram novas experiências em conflitos trabalhistas suecos.

No dia seguinte, os trabalhadores começaram uma greve geral em Ådalen e várias cidades em todo o país. Em Estocolmo, 80 mil pessoas se manifestaram em um campo de treinamento militar, protestando contra a morte dos cinco grevistas perto de Ådalen.

Doze mil pessoas compareceram aos funerais uma semana depois e os trabalhos foram interrompidos em todo o país por um período de cinco minutos de silêncio ao meio-dia.

Os líderes grevistas alcançaram com sucesso seu objetivo secundário de impedir que os fura-greves trabalhassem, tirando uma carta forte de negociação da administração das usinas. Os ativistas interromperam a greve geral no final de maio. Não consegui descobrir se conseguiram evitar que a administração impôs ou não cortes salariais.

A vitória dos Sociais Democratas

A greve foi uma influência importante na maior luta industrial entre LO e SAF e na direção da política governamental sueca. A intervenção militar exemplificou as tentativas governamentais de intervenção no conflito industrial. Como resultado dessa intervenção fracassada, os militares foram proibidos de participar de tais conflitos internos. A simpatia nacional pelos grevistas acrescentou um grande impulso político à LO e aos social-democratas. Em 1932, os social-democratas ganharam poder majoritário no governo nacional. O Acordo Básico de 1938, facilitado por este novo poder governamental, acabou com qualquer possibilidade de regulamentação governamental do conflito industrial e levou à regulamentação conjunta da LO e da SAF. Outro resultado importante da ascensão ao poder dos social-democratas foi a criação do welfare state sueco, uma tentativa de reduzir o desemprego e fornecer as necessidades básicas pelas quais os grevistas de Ådalen estavam lutando.

O Movimento Norueguês

Os noruegueses tiveram mais dificuldade em organizar um movimento de pessoas coesas porque a pequena população da Noruega – cerca de 3 milhões – estava espalhada por um território do tamanho da Grã-Bretanha. As pessoas eram separadas por montanhas e fiordes e falavam dialetos regionais em vales isolados. No século XIX, a Noruega era governada pela Dinamarca e depois pela Suécia; no contexto da Europa, os noruegueses eram os “atritos do país”, de pouca importância. Somente em 1905 a Noruega finalmente se tornou independente.

Quando os trabalhadores formaram sindicatos no início dos anos 1900, eles geralmente se voltavam para o marxismo, organizando-se para a revolução, assim como ganhos imediatos. Eles ficaram a época muito contentes com a derrubada do czar na Rússia, e o Partido Trabalhista Norueguês se juntou à Internacional Comunista organizada por Lênin. O trabalho não durou muito, no entanto. Uma maneira pela qual a maioria dos noruegueses se separou da estratégia leninista foi o papel da violência: os noruegueses queriam vencer sua revolução através da luta coletiva não violenta, juntamente com o estabelecimento de cooperativas e o uso da arena eleitoral.

Na década de 1920, as greves aumentaram de intensidade. A cidade de Hammerfest formou uma comuna em 1921, liderada por conselhos operários; o exército interveio para esmagá-lo. A resposta dos trabalhadores chegou perto de uma greve geral nacional. Os patrões, apoiados pelo Estado, reprimiram essa greve, mas os trabalhadores entraram em erupção novamente na greve dos ferreiros de 1923-24.

O 1% norueguês decidiu não confiar apenas no exército; em 1926 eles formaram um movimento social chamado Liga Patriótica, recrutando principalmente da classe média. Na década de 1930, a Liga incluía cerca de 100.000 pessoas para proteção armada de desmanteladores – isso em um país de apenas 3 milhões!

O Partido Trabalhista, entretanto, abriu sua adesão a qualquer pessoa, em um local de trabalho sindicalizado ou não. Marxistas de classe média e alguns reformistas se juntaram ao partido. Muitos trabalhadores rurais se juntaram ao Partido Trabalhista, bem como alguns pequenos proprietários de terras. A liderança trabalhista compreendeu que, em uma luta prolongada, era necessário um constante alcance e organização para uma campanha não violenta. Em meio à crescente polarização, os trabalhadores da Noruega lançaram outra onda de greves e boicotes em 1928.

A grande depressão

A Depressão chegou ao fundo em 1931. Mais pessoas estavam desempregadas do que em qualquer outro país nórdico. Ao contrário dos EUA, o movimento sindical norueguês manteve as pessoas fora do trabalho como membros, embora não pudessem pagar as quotas. Esta decisão foi recompensada em mobilizações de massa. Quando a federação de empregadores trancou os empregados para fora das fábricas para tentar forçar uma redução dos salários, os trabalhadores reagiram com demonstrações maciças.

Muitas pessoas então descobriram que suas hipotecas estavam em perigo. (Parece familiar?). A Depressão continuou, e os agricultores não conseguiram manter o pagamento de suas dívidas. Quando a turbulência atingiu o setor rural, multidões se reuniram de forma não-violenta para impedir o despejo de famílias de suas fazendas. O Partido Agrário, que incluía fazendeiros maiores e anteriormente se aliara ao Partido Conservador, começou a se distanciar do 1%; alguns podiam ver que a capacidade de poucos governarem os muitos estava em dúvida.

O colapso econômico acelerado

Em 1935, a Noruega estava à beira do abismo. O governo liderado pelos conservadores estava perdendo legitimidade diariamente; o 1% tornou-se cada vez mais desesperado à medida que a militância cresceu entre trabalhadores e agricultores. Uma derrubada completa poderia estar a apenas alguns anos de distância, pensaram trabalhadores radicais. No entanto, a miséria dos pobres tornou-se mais urgente dia após dia, e o Partido Trabalhista sentiu uma pressão crescente de seus membros para aliviar seu sofrimento, o que só poderia acontecer se ele assumisse o governo em um acordo de compromisso com o outro lado.

Isso aconteceu. Em um acordo que permitia aos proprietários manter o direito de possuir e administrar suas empresas, o Partido Trabalhista em 1935 tomou as rédeas do governo em coalizão com o Partido Agrário. Eles expandiram a economia e iniciaram projetos de obras públicas para seguir em direção a uma política de pleno emprego que se tornou a pedra angular da política econômica norueguesa. O sucesso do trabalho e a militância continuada dos trabalhadores permitiram incansáveis ​​avanços contra os privilégios de 1%, a ponto de a participação majoritária de todas as grandes empresas ser tomada pelo interesse público. (Há uma entrada neste caso também no Banco de Dados de Ações Não-Violentas Globais.)

A tentativa de volta dos conservadores

O 1%, portanto, perdeu seu poder histórico de domínio da economia e da sociedade. Somente três décadas mais tarde os conservadores puderam retornar a uma coalizão de governo, aceitando as novas regras do jogo, incluindo um alto grau de propriedade pública dos meios de produção, uma tributação extremamente progressiva, uma forte regulamentação comercial para o bem público e a virtual abolição da pobreza. Quando os conservadores eventualmente tentaram uma aventura com as políticas neoliberais, a economia gerou uma bolha e se dirigiu para o desastre. (Soa familiar?)

Os trabalhadores entraram em cena, tomaram os três maiores bancos, demitiram a alta administração, deixaram os acionistas sem um centavo e se recusaram a resgatar qualquer um dos bancos menores. O setor financeiro norueguês, bem expurgado, não foi um desses países que entrou em crise em 2008; cuidadosamente regulamentado e grande parte da propriedade pública, o setor era sólido.

Década de 80

Quão significativa foi a mudança de poder? A crise no setor financeiro que ainda está destruindo a Europa revela a diferença drasticamente. Quando, na década de 1980, a Noruega fez um desvio temporário flertando com o neoliberalismo, a economia se dirigiu para o precipício: especulação sobre moradia, uma bolha, um estrondo. Mas o arranjo de poder fundamental reafirmou-se: o governo confiscou os três maiores bancos, demitiu a gerência sênior, garantiu que os acionistas não recebessem uma coroa e disse aos outros bancos privados que poderiam se recapitalizar por conta própria ou ir à falência. . Nenhuma ajuda. Ponto final.

A linha de mestra norueguesa: Quando os capitalistas agem, eles devem pagar eles mesmo pela prórpia farra, não pelas pessoas.

Não poderia ser mais diferente do que vemos agora na maior parte da Europa (e dos EUA). A regra de 1% faz e a população paga. Quando os gigantes europeus começaram a cambalear em 2008, os setores financeiros norueguês (e sueco) permaneceram seguros porque venceram a briga com o 1% antes. Se os noruegueses e os suecos não tivessem lutado pela revolução não-violenta, eles também estariam à mercê de seu 1% e em uma bagunça tão grande quanto o resto da Europa.

Parece, portanto, especialmente sábio que os noruegueses tenham resistido com sucesso a seus próprios sentimentos internacionalistas quando solicitados a ingressar na União Européia. Duas vezes votando “não” por uma variedade de razões nos referendos nacionais, muitos perceberam décadas atrás que o capital internacional usa a UE para sua própria agenda. A luta de classes continua na Noruega, como deve ser em todos os lugares, porque é uma realidade histórica fundamental. Mas o campo de jogo dentro da Noruega é diferente porque eles ganharam sua batalha mais importante nos anos 1920 e 30 – de forma não violenta.

Embora os noruegueses não lhe falem sobre isso na primeira vez que você os conhece, o fato é que o alto nível de liberdade e prosperidade amplamente compartilhada da sociedade começou quando trabalhadores e agricultores, juntamente com aliados da classe média, travaram uma luta não violenta que fortaleceu o povo. Governar para o bem comum.

Com colaboração de George Lakey,

Fontes:


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.