Reino Unido aprova vacina contra COVID-19 para uso emergencial

Oficiais britânicos autorizaram uma vacina COVID-19 para uso emergencial na quarta-feira, dando luz verde à primeira injeção do mundo contra o vírus que é apoiada por ciência rigorosa e dando um grande passo para acabar com a pandemia.

O sinal verde para a vacina desenvolvida pela farmacêutica americana Pfizer e pela BioNTech da Alemanha ocorre no momento em que o vírus surge novamente nos Estados Unidos e na Europa, colocando pressão sobre hospitais e necrotérios em alguns lugares e forçando novas rodadas de restrições que devastaram economias.

A Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde, que licencia medicamentos no Reino Unido, recomendou que a vacina pudesse ser usada depois de revisar os resultados de testes clínicos que mostraram que a vacina era 95 por cento eficaz no geral – e que também oferecia proteção significativa para pessoas mais velhas , entre os que mais correm o risco de morrer da doença. Mas a vacina permanece experimental enquanto o teste final é feito.

“É fantástico”, disse o primeiro-ministro britânico Boris Johnson. “A vacina começará a ser disponibilizada em todo o Reino Unido a partir da próxima semana. É a proteção das vacinas que nos permitirá, em última instância, recuperar nossas vidas e colocar a economia em movimento novamente.”

A decisão torna a Grã-Bretanha um dos primeiros países a começar a vacinar sua população na tentativa de conter o COVID-19.

“A ajuda está a caminho”, disse o secretário de Saúde Matt Hancock à BBC, observando que a situação começaria a melhorar na primavera.

“Agora temos uma vacina. Somos o primeiro país do mundo a ter uma clinicamente autorizada, mas, entre agora e então, temos que aguentar, temos que manter nossa determinação.”

Outros países não estão muito atrás: reguladores nos Estados Unidos e na União Europeia também estão examinando a injeção da Pfizer junto com uma vacina semelhante feita pela concorrente Moderna Inc. Os reguladores britânicos também estão considerando outra injeção feita pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford.

Um comitê do governo divulgará detalhes das prioridades de vacinação na quarta-feira, mas Hancock disse que os residentes de asilos, pessoas com mais de 80 anos e profissionais de saúde e outros profissionais serão os primeiros a receber a injeção.

A Pfizer disse que começaria imediatamente a enviar suprimentos limitados para o Reino Unido – e está se preparando para uma distribuição ainda mais ampla se receber um aceno semelhante dos reguladores dos EUA.

A vacina da Pfizer está entre as sete que o Canadá encomendou. A Food and Drug Administration dos EUA deve se reunir em 10 de dezembro para revisar o produto da Pfizer. O consultor médico chefe da Health Canada, Supriya Sharma, disse que os reguladores daqui devem tomar decisões em prazos semelhantes aos seguidos pelos EUA.

O CEO da Pfizer, Albert Bourla, chamou a decisão do Reino Unido de “um momento histórico”.

“Estamos nos concentrando em agir com o mesmo nível de urgência para fornecer com segurança uma vacina de alta qualidade em todo o mundo”, disse Bourla em um comunicado.

Embora o Reino Unido tenha encomendado 40 milhões de doses da vacina Pfizer, o suficiente para 20 milhões de pessoas, não está claro quantas chegarão até o final do ano. Hancock disse que o Reino Unido espera receber “milhões de doses” até o final deste ano, observando que o número real dependerá de quão rápido a Pfizer pode produzir a vacina.

Desafio de distribuição

Uma preocupação com a vacina Pfizer-BioNTech é que ela deve ser armazenada e despachada em temperaturas ultracongeladas de cerca de -70 C, aumentando o desafio de distribuir a vacina ao redor do mundo.

A Pfizer diz que desenvolveu contêineres de transporte que usam gelo seco para manter a vacina resfriada. Sensores habilitados para GPS permitirão à empresa rastrear cada remessa e garantir que permaneçam frios, afirma a empresa.

“A Pfizer tem vasta experiência e expertise em transporte de frio e tem uma infraestrutura estabelecida para fornecer a vacina em todo o mundo, incluindo centros de distribuição que podem armazenar doses de vacina por até seis meses”, disse a empresa em um comunicado.

A empresa também diz que concordou em trabalhar com outros fabricantes de vacinas para garantir que haja fornecimento suficiente e uma variedade de vacinas, “incluindo aquelas adequadas para acesso global”.

Cada país tem regras diferentes para determinar quando uma vacina experimental é segura e eficaz o suficiente para uso. A pressão política intensa para ser o primeiro a lançar um tiro rigorosamente testado cientificamente influenciou a corrida nos EUA e na Grã-Bretanha, mesmo com os pesquisadores se comprometendo a não tomar atalhos. Em contraste, a China e a Rússia ofereceram vacinas diferentes aos seus cidadãos antes dos testes em fase final.

As fotos feitas pela Pfizer com sede nos Estados Unidos e seu parceiro alemão BioNTech foram testadas em dezenas de milhares de pessoas. E embora esse estudo não esteja completo, os primeiros resultados sugerem que a vacina é 95 por cento eficaz na prevenção da doença COVID-19 leve a grave. As empresas disseram aos reguladores que das primeiras 170 infecções detectadas nos voluntários do estudo, apenas oito estavam entre as pessoas que receberam a vacina real e o restante recebeu uma injeção simulada.

“Esta é uma proteção extraordinariamente forte”, disse o Dr. Ugur Sahin, CEO da BioNTech, recentemente à Associated Press.

As empresas também não relataram efeitos colaterais graves, embora os destinatários da vacina possam sentir dor temporária e reações semelhantes às da gripe imediatamente após as injeções.

O teste final ainda deve ser concluído. Ainda não foi determinado se as injeções da Pfizer-BioNTech protegem contra pessoas que espalham o coronavírus sem apresentar sintomas. Outra questão é quanto tempo dura a proteção.

A vacina também foi testada em apenas um pequeno número de crianças, nenhuma com menos de 12 anos, e não há informações sobre seus efeitos em mulheres grávidas.