Aulas de música na escola aprimoram as habilidades lingüísticas das crianças, diz estudo finlandês

19802253 - teacher and students playing xylophone in class

De acordo com a pesquisa realizada na Universidade de Helsinque, aulas de música semanais nas escolas melhorou significativamente o desenvolvimento das habilidades de vocabulário infantil.

Vários estudos sugeriram que o treinamento musical intensivo aumenta as habilidades lingüísticas das crianças. Esse treinamento, no entanto, não está disponível para todas as crianças.

Pesquisadores da Unidade de Pesquisa do Cérebro Cognitivo da Universidade de Helsinque estudaram em um ambiente comunitário se um ensino de música semanal de baixo custo fornecido a crianças de 5 a 6 anos de idade em jardins de infância afeta suas habilidades lingüísticas.

As crianças foram testadas quatro vezes ao longo de dois anos escolares com o processamento de fonemas e subtestes de vocabulário, juntamente com testes de habilidades de raciocínio perceptivo e controle inibitório.

Comparativos entre crianças que tiveram e não tiveram aulas de música e/ou dança. Fonte: Universidade de Helsinque

De acordo com os resultados, publicados na Scientific Reports, a escola de música melhorou significativamente o desenvolvimento do processamento de fonemas e das habilidades de vocabulário das crianças, em comparação com seus pares que assistiram a aulas de dança organizadas de maneira similar ou não participaram de nenhuma atividade.

“Nossos dados sugerem que mesmo atividades lúdicas de grupo – se atendidas por vários anos – têm um efeito positivo nas habilidades lingüísticas dos pré-escolares”, diz a primeira autora da pesquisa, Tanja Linnavalli.

“Por isso, promovemos o conceito de implementar aulas regulares de educação infantil dadas por professores profissionais em educação infantil.”

Com informações da Universidade de Helsinque e a colaboração da pesquisadora Tanja Linnavalli,

Pesquisa original: Music playschool enhances children’s linguistic skills (Linnavalli, Putkinen, Lipsanen, Huotilainen & Tervaniemi), Scientific Reports. DOI: 10.1038/s41598-018-27126-5