Dieta com restrição de proteínas reduziu glicemia de diabéticos, segundo pesquisadores da USP

Depois de quatro semanas de dieta com menor quantidade de carne, voluntários tiveram redução de 61% nos níveis de glicose, sem perda de massa magra.

Com uma dieta comum à maior parte dos brasileiros – composta de arroz, feijão, saladas e carne, essa em quantidade menor, ou seja, com diminuição de proteínas -, pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP conseguiram reduzir a glicemia de um grupo de voluntários portadores de Diabetes mellitus tipo 2. Participaram deste estudo controlado sete indivíduos, de cinco estados brasileiros, durante  quatro semanas, portadores de diabete tipo 2 há pelo menos nove anos, com dislipidemia – elevação do colesterol e/ou triglicérides, e hipertensão arterial.

Rafael Ferraz Bannitz e a professora Maria Cristina Foss-Freitas, durante apresentação do trabalho no Congresso da ADA nos Estados Unidos – Foto: Arquivo Pessoal

Após as quatro semanas, o grupo avaliado apresentou uma redução de 61% dos níveis de glicose em jejum e uma redução de 14% da hemoglobina glicada, marcadores que indicam o volume de açúcar no sangue. “O protocolo de restrição proteica a que o grupo de voluntários foi submetido, além de reduzir os níveis de glicose sanguínea, também reduziu em 32% os níveis de colesterol total e 33% os níveis de LDL, o colesterol ruim”, conta Rafael Ferraz Bannitz, um dos autores do estudo publicado em importante revista internacional da área.

Os resultados também mostraram uma redução de 4,5% do peso corporal, com diminuição de 11% da massa gorda e manutenção da massa magra. Além disso, todos os indivíduos apresentaram normalização da pressão arterial sistêmica, com uma queda de 23% na pressão sistólica e 44% na pressão diastólica.

Segundo o pesquisador, essa é a primeira vez que um grupo de pesquisa aplica “um protocolo de tratamento exclusivamente alimentar em seres humanos totalmente controlado”. O objetivo principal é definir os mecanismos de ação da restrição calórica e da dieta hipoproteica em seres humanos. A restrição calórica, diz Bannitz, tem se mostrado uma ótima intervenção no combate a doenças metabólicas em diferentes espécies, porém a restrição de proteínas na dieta em seres humanos é uma grande incógnita, principalmente em indivíduos que são portadores de diabete tipo 2.

Com colaboração de Rose Talamone
Com informações da USP (Universidade de São Paulo).