Como empresas de tecnologia estão transformando o papel do professor na educação

 

A IBM começou a trabalhar na iniciativa de remodelar os métodos de ensino atuais já em 2013 e acelerou o desenvolvimento após a parceria de 2014 com a Apple, que levou à criação do programa MobileFirst para iOS. As empresas querem refazer a experiência educacional de professores e alunos, combinando dados, análises e computação cognitiva da IBM com o design e a experiência do usuário da Apple. É o que diz Chalapathy Neti, vice-presidente de inovação educacional do IBM Watson.

Segundo a empresa, Watson, a tecnologia cognitiva da IBM, recorre a três classes de dados para alinhar o currículo com as proficiências e interesses dos alunos, conforme registrado pelos educadores. O IBM Watson Element for Educators usa comportamentos e interesses gravados para fornecer informações sobre as competências dos alunos, para determinar os tipos de conteúdo personalizado e ambientes de aprendizado que melhor possam envolvê-los, de acordo com a Neti.

A combinação dos recursos cognitivos da IBM com os produtos digitais de aprendizagem da Pearson proporcionará aos alunos uma experiência de aprendizado mais imersiva em seus cursos universitários, uma maneira fácil de obter ajuda e insights quando precisarem, fazendo perguntas em linguagem natural, como faria com outro aluno ou professor. É importante fornecer aos instrutores insights sobre como os alunos estão aprendendo, permitindo que eles gerenciem melhor todo o curso e indiquem os alunos que precisam de ajuda adicional.

Por exemplo, um aluno que está tendo dificuldades enquanto estuda para um curso de biologia pode consultar o Watson, que está incorporado no curso da Pearson. O Watson já leu o conteúdo do material didático da Pearson e está pronto para identificar padrões e gerar insights. Servindo como um recurso digital, o Watson avaliará as respostas do aluno para orientá-lo com dicas, comentários, explicações e ajudar a identificar equívocos comuns, trabalhando com o aluno no ritmo adequado para ajudá-lo a dominar o assunto.

Carla Mendoza Lopez, à direita, com (esquerda para a direita) Mason Mulkey e Amrutha Mantha, usam o IBM Watson Element for Educators, o primeiro aplicativo IBM MobileFirst para iOS para a indústria educacional, na Escola Primária Richard Lee da Coppell em Coppell, Texas,

“Com o Watson e essa colaboração incrível com a Pearson, estamos mudando a maneira como os estudantes universitários aprendem. A ideia de ter um recurso embutido para ajudar a lidar com as questões desafiadoras que os estudantes universitários entravam é incrível”, disse Harriet Green, Gerente Geral. Watson IoT, Engajamento Cognitivo e Educação. “Nosso objetivo é que os estudantes universitários se sintam capacitados, melhorem o desempenho dos estudos e ajudem os educadores com um conteúdo acadêmico inovador”.

“O aprendizado digital abre novas e empolgantes possibilidades para melhorar o acesso e os resultados na educação. Nossa parceria usará o poder da Watson para ajudar os alunos a se engajarem e aprofundarem seu aprendizado, completarem seu grau e estarem melhor equipados para suas carreiras”, disse Tim Bozik. Presidente de Produto Global na Pearson. “Os professores são o fator mais importante na oferta de uma ótima educação. A parceria apoiará os professores, fornecendo melhores ferramentas digitais e permitindo o aprendizado personalizado para seus alunos”.

A colaboração IBM Watson-Pearson visa ajudar a resolver os desafios que os alunos enfrentam ao equilibrar o trabalho ocupado e os cronogramas do curso com as demandas do aprendizado avançado. Mais de 60% de todas as vagas de emprego até 2018 previam a necessidade de alguma formação universitária, mas 40% dos alunos em universidades públicas de quatro anos não concluem seus cursos dentro desse tempo, e muitos deles não concluem nada. Isso está criando a necessidade de um recurso virtual flexível que os estudantes universitários possam acessar quando precisarem. Com a combinação de Watson e Pearson, os alunos poderão obter a ajuda específica de que precisam, fazer perguntas e reconhecer áreas em que ainda precisam de ajuda de um instrutor. O objetivo dessa abordagem sempre disponível para a tutoria é que ela pode se tornar a diferença entre um aluno concluir com êxito um curso obrigatório ou desistir.

A Pearson e a IBM estão inovando com as APIs do Watson, diagnósticos específicos de educação e recursos de correção. Os alunos poderão dialogar com o Watson em tempo real fazendo perguntas sobre um tópico específico. Em outro cenário, o Watson poderá pesquisar por meio de um conjunto expandido de recursos educacionais para recuperar informações relevantes para responder à pergunta do aluno. Durante o diálogo com o aluno, o Watson avalia constantemente as respostas do aluno e orienta-o com sugestões, feedback, explicações e identifica equívocos comuns. O Watson também será capaz de apoiar o aluno respondendo às suas perguntas, mostrando como o novo conhecimento que ele obtém se relaciona com o conhecimento existente e, finalmente, fazendo com que as perguntas verifiquem sua compreensão. Os alunos podem responder em linguagem natural às perguntas feitas pelo Watson, e o Watson usará as respostas do aluno para fornecer ajuda, mostrar as áreas que melhoraram e onde ainda precisam trabalhar.

Os relatos concluem nas vantagens da facilidade do uso, da acessibilidade, do domínio, da leitura e da aprendizagem, uma vez que o professor não tem condições de estar disponível  24 horas por dia para cada um dos alunos. O fato de um estudante estar realizando seu estudo, leitura e poder, a qualquer momento, perguntar: “Watson, você pode me explicar isso um pouco mais?” seria a maior revolução.

A ideia de sistemas adaptativos de aprendizagem que oferecem educação personalizada existe há muito tempo. A maioria dos sistemas atuais, no entanto, usa medidas como múltipla escolha e preenche as lacunas que oferecem apenas uma visão parcial do entendimento do aluno. Através da conversação e do uso da linguagem natural, a tecnologia de aprendizagem adaptativa baseada em Watson ajudará os alunos a obter uma melhor compreensão do material do assunto.

A Pearson atualmente abrange mais 75 milhões de estudantes de todas as idades em todo o mundo em toda a sua gama de serviços, incluindo livros, software, ensino de inglês, avaliação, qualificações e aprendizado on-line. No setor universitário dos EUA, Pearson alcança 13 milhões de estudantes por ano com ferramentas e conteúdos digitais.

Disponibilidade

Watson participando do jogo Jeopardy em 2011

Watson se tornou famoso depois que derrotou o campeão do Jeopardy, Ken Jennings, em 2011. E foi aparente depois dessa demonstração do seu potencial que ele passou a ser também adaptado e está chegando à educação como foi dito acima.  Aliás, a nova iniciativa filantrópica da IBM, o supercomputador está ajudando a impulsionar um banco de dados pesquisável de recursos de matemática educacional abertos projetados para professores no ensino fundamental.

E de um tempo pra cá a nova ferramenta, chamada Teacher Advisor With Watson 1.0, é aberta ao público depois de um longo período de testes beta que buscou informações de comissários estaduais de educação, sindicatos de professores, associações de conselhos escolares e mais de 1.000 professores.

“Queríamos construir e projetar algo para professores por professores, com as melhores informações e a melhor tecnologia disponível”. Essa é a visão dada por Stan Litow, presidente emérito da Fundação IBM e ex-vice-chanceler do Departamento de Educação de Nova York.

A IBM Foundation vinha flertando com ideias para aplicar a tecnologia Watson na educação há um tempo, sem saber exatamente o que queria fazer com ela. A gigante da tecnologia começou nos últimos anos atraindo mais de 100 líderes educacionais de alto nível para um evento de um dia inteiro demonstrando a tecnologia. A partir desse grupo de foco, eles restringiram a lista de possíveis aplicativos a ferramentas de desenvolvimento profissional e, eventualmente, se estabeleceram em um banco de dados pesquisável exclusivamente para matemática do ensino fundamental.

Litow em entrevista relatou que quando havia voltado ao comitê consultivo,  perguntou: onde você começaria se estivesse procurando causar o maior impacto?. Segundo ele, o consenso foi: comece com a matemática no nível fundamental, porque esses professores são geralmente licenciados como professores de ensino fundamental,  podem não ter uma sólida especialização  de alto nível no assunto.

O resultado é um mecanismo de pesquisa inteligente que usa a capacidade do Watson de analisar a linguagem natural e fazer recomendações com o objetivo de corresponder com precisão o que os professores realmente estão procurando.

O preenchimento do mecanismo de pesquisa é uma coleção de mais de 1.000 OERs (Open Educational Resources – recursos educacionais livres)  de fontes como Achieve, UnboundED e organizações estaduais como o EngageNY – selecionadas manualmente por especialistas em matemática que auxiliam o programa. Quando os professores pesquisam um conceito específico, como frações, eles recebem uma lição direcionada, um padrão, uma atividade recomendada e uma estratégia. A partir daí, eles podem ajustar variáveis ​​como nível de série, mantendo os mesmos termos de pesquisa, o que pode ajudar os professores nas salas de aula, onde os alunos têm diferentes proficiências em matemática.

O verdadeiro gancho, no entanto, é a IA (inteligência artificial) em evolução contínua de Watson. Teoricamente, a ferramenta de busca deve melhorar e aperfeiçoar-se com base nos dados dos usuários, potencialmente fornecendo resultados mais relevantes com o passar do tempo.

Dentro do banco de conteúdo OER, há materiais de impressão, bem como diagramas e até mesmo um player de vídeo, que aproveita a tecnologia Watson que pode identificar as partes específicas de um determinado vídeo relevantes para a consulta de pesquisa e destacar apenas essa parte.

Desde o lançamento da versão beta  em 2014, a IBM buscou contribuições de milhares de pessoas, tanto online quanto em workshops presenciais.  Os relatos foram de muitas melhoras após as contribuições dos docentes, principalmente.

Agora, é possível que seus professores diferenciem as lições rapidamente, inserindo apenas algumas palavras-chave para começar.

Aplicativo para o tablet

A Apple e a IBM se uniram com os pontos fortes de uma nova maneira de atingir o mercado educacional. O IBM Watson Element for Educators, um novo aplicativo para iPad das empresas, foi criado para fornecer aos professores uma visão mais holística do progresso acadêmico, realizações, interesses e atividades de aprendizado dos alunos do ensino fundamental e médio.

O aplicativo não é um sistema de registro para educadores, mas sim um portal através do qual os professores podem acessar, manipular e obter insights de vários conjuntos de dados, diz Neti. Os dados usados ​​pelo aplicativo podem existir em vários sistemas, como é a norma com a maioria dos distritos escolares, incluindo o Distrito Escolar Independente da Coppell (ISD) no Texas, a primeira instituição acadêmica a usar o Watson Element.

A Apple e a IBM trabalharão com as escolas para integrar dados relevantes ao aplicativo, para que os educadores acompanhem os caminhos de aprendizagem dos alunos e registrem observações sobre seus estilos de aprendizagem preferidos, para eventualmente construir planos personalizados que melhorem com o tempo, segundo Neti. “Mesmo antes de um aluno fazer qualquer tipo de avaliação, os educadores podem, através de interesses e aprendizado histórico, oferecer conselhos e intervenções personalizados para essas crianças”, diz ele.

Marilyn Denison, superintendente assistente de currículo e instrução da Coppell ISD, afirma que os professores que têm acesso ao aplicativo economizam tempo e fazem uso de dados de maneiras que antes não eram possíveis. “Há muitos educadores de informação que precisam realmente construir um relacionamento, mas essas informações geralmente são armazenadas em diferentes arquivos ou base de dados, e é difícil para os educadores obter todas essas informações de forma rápida e concisa”, diz ela. “Se você não der ao educador o tempo ou todos os recursos, eles não podem levar a experiência de aprendizagem da criança o suficiente para fazer as coisas que queremos fazer.”

Aproximadamente 150 educadores em quatro escolas no ISP do Coppell estão atualmente usando o Watson Element, e o distrito planeja ter o aplicativo nas mãos de todos os seus professores até o ano que vem, de acordo com Denison. Esses professores tiveram acesso a iPads por cerca de três anos, então o tablet e alguns aplicativos para iOS já são uma parte natural de seus projetos de lição, diz Denison.

Confira um breve vídeo sobre o Watson Education abaixo:

 

Com informações da IBM,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.