Escola chinesa usa reconhecimento facial para monitorar a atenção dos alunos em sala de aula

Uma escola chinesa instalou a tecnologia de reconhecimento facial para monitorar o quanto os alunos estão prestando atenção às aulas.

Todos os movimentos de alunos da High School Hangzhou Number 11 no leste da China são observados por três câmeras posicionadas acima do quadro negro.

O “sistema inteligente de gerenciamento de comportamento em sala de aula”, ou “olho inteligente”, é o mais recente equipamento de vigilância intrusivo a ser lançado na China, onde os líderes correram para usar a mais recente tecnologia para monitorar a população em geral.

O sistema foi instalado em uma sala de aula, mas será implantado em toda a escola até o verão (hemisfério norte), disse o diretor Ni Ziyuan para a imprensa.

Alguns alunos já estão mudando seu comportamento devido ao aumento do monitoramento.

“Antes, quando eu tinha aulas que eu não gostava muito, eu ficava com preguiça e talvez tirasse fotos da mesa, ou folheasse outros livros didáticos”, disse um estudante ao Hangzhou.com, um site de notícias dirigido pelo governo central.

“Mas não me atrevo a me distrair depois que as câmeras foram instaladas nas salas de aula. É como se um par de olhos misteriosos estivesse constantemente me observando “.

Alunos da escola chinesa assumem que já mudaram seu comportamento depois do início dos monitoramentos dentro da sala de aula / ImagineChina

O sistema funciona identificando diferentes expressões faciais dos alunos, e essa informação é então alimentada em um computador que avalia se eles estão aproveitando lições ou se suas mentes estão vagando.

O computador captará sete emoções diferentes, incluindo neutro, feliz, triste, desapontado, zangado, assustado e surpreso.

Se concluir que o aluno está distraído com outros pensamentos durante a aula, ele enviará uma notificação ao professor para agir.

Muitos chineses se acostumaram com a violação de sua privacidade pelo governo e empresas, mas as pessoas têm expressado horror sobre o novo sistema nas mídias sociais chinesas.

“Se eu ainda estivesse na escola, não seria capaz de me concentrar em nada a não ser aquele olho observador!” disse um comentário sobre o Sina Weibo, versão chinesa do Twitter.

No entanto, o Sr. Ni, o diretor, disse que “olho inteligente” ajudará a melhorar os padrões educacionais.

“É o mesmo que os professores que têm um assistente, e isso pode melhorar a qualidade do ensino”, disse ele, de acordo com o relatório do Hangzhou.com.

“Alguns disseram que isso pode infringir a privacidade dos alunos, mas registra apenas os movimentos dos alunos, em vez de filmar atividades em sala de aula.

“E aqueles que se concentram em palestras serão marcados com um A, enquanto os estudantes que deixarem suas mentes vagarem serão marcados com um B.”

A China tem assistido a um surto de vigilância nos últimos anos e os estudantes nas escolas e universidades chinesas são muitas vezes fortemente controlados pelo CCTV.

O país que está se modernizando rapidamente também está implantando novas tecnologias para monitorar as pessoas de maneiras que enervariam muitos no Ocidente.

Câmeras de reconhecimento facial foram implantadas em estações de trem e até mesmo em concertos pop pela polícia em busca de fugitivos.

A tecnologia também tem sido usada para testar os níveis de interesse em palestras em universidades, para entrar em dormitórios universitários e locais de trabalho, para retirar dinheiro de caixas eletrônicos e até para comprar em um lanchonete.

Grupos de direitos humanos temem que as autoridades estejam usando a enorme quantidade de informações que coletam sobre os indivíduos, ou “big data”, junto com a vigilância para acompanhar os cidadãos e reprimir os dissidentes.

Mas os líderes chineses dizem que o setor de alta tecnologia é um catalisador para o crescimento futuro e a pedra angular dos planos para construir uma sociedade de consumo moderna dentro de uma geração.

O vice-diretor da escola disse que a privacidade dos estudantes era protegida porque a tecnologia não salvava imagens da sala de aula e armazenava dados em um servidor local, e não na nuvem.

No ano passado, a empresa chinesa Qihoo 360 encerrou centenas de canais de monitoramento ao vivo após um aumento nas preocupações com privacidade. Os canais transmitiam imagens de câmeras de vários locais públicos, incluindo piscinas, restaurantes e salas de aula – estas protegidas apenas por uma senha.

Mas os sistemas de segurança estão crescendo em popularidade após o aumento da violência e das práticas questionáveis nos jardins de infância chineses. Em Pequim, todos os jardins de infância são obrigados a ter sistemas de vigilância, alguns dos quais estão até conectados a sistemas de monitoramento da polícia local.

O uso de tecnologia de reconhecimento facial está aumentando na China, onde está sendo usado para aumentar a eficiência e melhorar o policiamento. As câmeras são usadas para capturar os jaywalkers, encontrar fugitivos, rastrear os encontros regulares das pessoas e até prever crimes.

Mas a China não é o único país que introduz vigilância nas escolas. No início deste ano, o território de capital da Índia, Delhi, disse que implementaria câmeras de vigilância em todas as escolas do governo, permitindo que os pais transmitam imagens de sala de aula em tempo real.

Um vídeo (em inglês) produzido pela Techjuice dá uma demonstração rápida de como ele funciona.

Agradecimentos pela ajuda na reportagem a Christine Wei.

 

Resumo:

  • Uma escola secundária chinesa em Hangzhou está usando tecnologia de reconhecimento facial que examina estudantes a cada 30 segundos.
  • O sistema está analisando as emoções e ações dos alunos em sala de aula, além de substituir cartões de identificação e carteiras na biblioteca e na cantina.
  • A tecnologia de reconhecimento facial é difundida na China, onde está sendo usada para prever o crime.
  • Mas o uso dos sistemas nas escolas aumentou as preocupações com a privacidade e, no ano passado, centenas de canais on-line foram fechados.

Com informações doHangzhou.com,    Business InsiderTelegraph,  Gizmodo  e Radio Free Asia