Pílula anticoncepcional masculina é 99% eficaz em camundongos

Uma equipe de cientistas disse na última quarta-feira (23) que desenvolveu um contraceptivo oral masculino que é 99% eficaz em camundongos sem causar efeitos colaterais e pode entrar em testes em humanos até o final deste ano.

As descobertas serão apresentadas na reunião de primavera da American Chemical Society e marcam um passo fundamental para expandir as opções de controle de natalidade – assim como as responsabilidades – para os homens.

Desde que a pílula anticoncepcional feminina foi aprovada pela primeira vez na década de 1960, os pesquisadores estão interessados em um equivalente masculino, disse à AFP Md Abdullah Al Noman, estudante de pós-graduação da Universidade de Minnesota que apresentará o trabalho.

“Vários estudos mostraram que os homens estão interessados em compartilhar a responsabilidade do controle de natalidade com suas parceiras”, disse ele – mas até agora havia apenas duas opções eficazes disponíveis: preservativos ou vasectomias.

A cirurgia de reversão de vasectomia é cara e nem sempre bem-sucedida.

A pílula feminina usa hormônios para interromper o ciclo menstrual, e os esforços históricos para desenvolver um equivalente masculino tiveram como alvo o hormônio sexual masculino testosterona.

O problema com essa abordagem, no entanto, era que ela causava efeitos colaterais como ganho de peso, depressão e aumento dos níveis de colesterol conhecido como lipoproteína de baixa densidade, o que aumenta os riscos de doenças cardíacas.

Esta foto tirada em 1º de junho de 2021 mostra um rato se alimentando de grãos em um depósito de trigo nas terras agrícolas de Col Tink no centro agrícola de Dubbo Saeed KHAN, em Nova Gales do Sul AFP/File

A pílula feminina também traz efeitos colaterais, incluindo riscos de coagulação do sangue – mas como as mulheres enfrentam a gravidez na ausência de contracepção, o cálculo do risco é diferente.

Não hormonal

Para desenvolver uma droga não hormonal, Noman, que trabalha no laboratório do professor Gunda Georg, teve como alvo uma proteína chamada “receptor de ácido retinóico (RAR) alfa”.

Dentro do corpo, a vitamina A é convertida em diferentes formas, incluindo ácido retinóico, que desempenha papéis importantes no crescimento celular, formação de espermatozóides e desenvolvimento embrionário.

O ácido retinóico precisa interagir com o RAR-alfa para realizar essas funções, e experimentos de laboratório mostraram que camundongos sem o gene que cria o RAR-alfa são estéreis.

Para seu trabalho, Noman e Georg desenvolveram um composto que bloqueia a ação do RAR-alfa. Eles identificaram a melhor estrutura molecular com a ajuda de um modelo de computador.

“Se soubermos como é o buraco da fechadura, podemos fazer uma chave melhor – é aí que entra o modelo computacional”, disse Noman.

Seu produto químico, conhecido como YCT529, também foi projetado para interagir especificamente com o RAR-alfa, e não com dois outros receptores relacionados, RAR-beta e RAR-gama, a fim de minimizar potenciais efeitos colaterais.

Cinco anos para o mercado?

Quando administrado oralmente a camundongos machos por quatro semanas, o YCT529 reduziu drasticamente a contagem de espermatozóides e foi 99% eficaz na prevenção da gravidez, sem nenhum evento adverso observado.

Os camundongos puderam novamente gerar filhotes quatro a seis semanas depois de terem sido retirados da droga.

A equipe, que recebeu financiamento dos Institutos Nacionais de Saúde e da Iniciativa Contraceptiva Masculina, está trabalhando com uma empresa chamada YourChoice Therapeutics para iniciar testes em humanos até o terceiro ou quarto trimestre de 2022, disse Georg.

“Estou otimista de que isso avançará rapidamente”, disse ela, prevendo uma possível linha de tempo para o mercado em cinco anos ou menos.

“Não há garantia de que funcionará, mas eu ficaria realmente surpreso se não observássemos um efeito em humanos também”, acrescentou.

Uma questão persistente sobre as futuras pílulas anticoncepcionais masculinas tem sido se as mulheres confiarão nos homens para usá-las.

Mas pesquisas mostraram que a maioria das mulheres, de fato, teria fé em seus parceiros, e um número significativo de homens indicaram que estariam abertos à medicação.

“Os anticoncepcionais masculinos vão se somar ao mix de métodos, oferecendo novas opções que permitem que homens e mulheres contribuam da maneira que considerem apropriado para o uso de anticoncepcionais”, argumenta a ONG Male Contraceptive Initiative, que se engaja na arrecadação de fundos e na advocacia.