Facebook revela seu novo nome: Meta

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou na quinta-feira no evento Connect da empresa que o novo nome da empresa será Meta. “Somos uma empresa que desenvolve tecnologia para conectar”, disse Zuckerberg. “Juntos, podemos finalmente colocar as pessoas no centro de nossa tecnologia. E, juntos, podemos desbloquear uma economia de criadores muito maior. ”

“Para refletir quem somos e o que esperamos construir”, acrescentou. Ele disse que o nome Facebook não abrange totalmente tudo o que a empresa faz agora e ainda está intimamente ligado a um produto. “Mas, com o tempo, espero que sejamos vistos como uma empresa metaversa.”

Zuckerberg possui o identificador do Twitter @meta (cujos tweets estão protegidos até o momento desta redação) e meta.com, que agora redireciona para uma página de boas-vindas no Facebook que descreve as mudanças.

Como foi relatado pelo site The Verge pela primeira vez em 19 de outubro, a reformulação da marca é parte dos esforços da empresa para deixar de ser conhecida apenas como uma empresa de mídia social para se concentrar nos planos de Zuckerberg para construir o metaverso. Em julho, ele disse ao The Verge que nos próximos anos, o Facebook iria “efetivamente fazer a transição das pessoas nos vendo principalmente como uma empresa de mídia social para uma empresa metaversa”.

Zuckerberg escreveu em um blog na quinta-feira que a estrutura corporativa da empresa não mudaria, mas a forma como ela relata os resultados financeiros, sim. “Começando com nossos resultados do quarto trimestre de 2021, planejamos reportar em dois segmentos operacionais: Família de Aplicativos e Laboratórios de Realidade”, explicou ele. “Também pretendemos começar a negociar sob o novo código de ações que reservamos, MVRS, em 1º de dezembro. O anúncio de hoje não afeta a forma como usamos ou compartilhamos os dados.”

O Facebook tem estado sob intenso escrutínio nas últimas semanas, depois que revelações baseadas em documentos internos condenáveis ​​fornecidos ao Wall Street Journal pela denunciante Frances Haugen mostraram, entre outras coisas, que a plataforma Instagram do Facebook se tornou um lugar tóxico para adolescentes, especialmente meninas. E os reguladores antitruste estão pressionando para que a empresa seja desmembrada, à medida que a confiança do público na plataforma de mídia social está diminuindo.

Na segunda-feira, vários meios de comunicação publicaram mais detalhes dos documentos internos divulgados à Comissão de Valores Mobiliários e fornecidos ao Congresso na forma redigida. Eles mostraram a profunda preocupação entre os pesquisadores do Facebook de que sua base de usuários estava envelhecendo e a plataforma estava perdendo força entre as gerações mais jovens. Os documentos também mostraram que o Facebook tinha um sistema hierárquico para priorizar quais países receberiam proteções aprimoradas durante as eleições.

As primeiras especulações se concentraram em uma mudança semelhante à mudança da marca do Google em 2015, quando anunciou que se tornaria uma das várias empresas sob a égide de uma holding maior chamada Alphabet. Para o Facebook, o aplicativo “azul” original se juntaria ao Instagram, WhatsApp e Oculus sob uma empresa-mãe.