NASA lança a missão Lucy até Jupiter

A NASA lançou com sucesso o foguete responsável por enviar a espaçonave Lucy ao espaço.

Durante sua missão de 12 anos, a espaçonave Lucy da NASA irá explorar oito asteróides. Ela irá explorar mais asteróides do que qualquer missão anterior. Em seu caminho para os asteróides de Tróia, Lucy voará pelo asteróide do cinturão principal (52246) Donaldjohanson em 20 de abril de 2025. Lá, Lucy passará por cinco desses Troianos L4: Euribates e seu satélite, Queta, em 27 de agosto. , 2027, Polymele em 15 de setembro de 2027, Leucus em 18 de abril de 2028 e Orus em 11 de novembro de 2028.

Momentos antes do Lançamento da espaçonave LUCY/ Imagens: NASA

A órbita da espaçonave trará Lucy de volta à vizinhança da Terra para outra ajuda da gravidade e a levará novamente até a distância de Júpiter. Chegando em 2 de março de 2033, Lucy voará por Patroclus e seu quase gêmeo companheiro binário Menoetius. Enquanto o sobrevoo deste notável par de asteróides será o esperado final da missão. Lucy permanecerá em uma órbita estável, o que permitirá que ele visite os enxames de Trojan repetidamente por muitos milhares, e possivelmente milhões, de anos.

Mais detalhes da missão Lucy.

Nomeados em homenagem a personagens da mitologia grega, esses asteróides circundam o Sol em dois enxames, com um grupo liderando à frente de Júpiter em seu caminho, o outro seguindo atrás dele. Lucy será a primeira espaçonave a visitar esses asteróides. Ao estudar esses asteróides de perto, os cientistas esperam aprimorar suas teorias sobre como os planetas do nosso sistema solar se formaram 4,5 bilhões de anos atrás e por que eles terminaram em sua configuração atual.

“Com Lucy, iremos a oito asteróides nunca antes vistos em 12 anos com uma única nave espacial”, disse Tom Statler, cientista do projeto Lucy na sede da NASA em Washington. “Esta é uma oportunidade fantástica de descoberta, à medida que investigamos o passado distante de nosso sistema solar.”

Seguindo todos os protocolos de pandemia, os membros da equipe de Lucy passaram as últimas oito semanas no Kennedy Space Center da NASA na Flórida, preparando a espaçonave para o vôo. Os engenheiros testaram os sistemas mecânicos, elétricos e térmicos da espaçonave e praticaram a execução da sequência de lançamento a partir dos centros de operações da missão em Kennedy e Lockheed Martin Space em Littleton, Colorado. No início de agosto, os engenheiros instalaram a antena de alto ganho da espaçonave, sua segunda característica mais proeminente depois das expansivas matrizes solares, que permitirão que a espaçonave se comunique com a Terra.

Em 18 de setembro, os engenheiros de propulsão terminaram de encher os tanques de combustível de Lucy com aproximadamente 1.600 libras (725 kg) de hidrazina líquida e oxigênio líquido, que compõem 40% da massa da espaçonave. O combustível será usado em manobras precisas que irão impulsionar Lucy para seus destinos de asteróides dentro do cronograma, enquanto os painéis solares – cada um com a largura de um ônibus escolar – irão recarregar as baterias que abastecerão os instrumentos da espaçonave.

A espaçonave Lucy foi comprimida nas duas metades da carenagem do veículo de lançamento, que se fechou em torno dela como uma concha. Depois que a espaçonave foi encapsulada, a equipe Lucy será capaz de se comunicar eletricamente com ela por meio de um “cordão umbilical”.

“Lançar uma espaçonave é quase como mandar uma criança para a faculdade – você fez o que pode para prepará-los para o próximo grande passo por conta própria”, disse Hal Levison, o principal investigador da missão Lucy, com base em o Southwest Research Institute em Boulder, Colorado.

No início de outubro, a espaçonave encapsulada foi transportada para a Instalação de Integração de Veículos na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, onde foi “acoplada” ao foguete Atlas V 401 da United Launch Alliance. O Atlas V decolou do Complexo de Lançamento Espacial 41. O foguete leva Lucy para fora da atmosfera da Terra para iniciar a longa jornada até os asteróides de Tróia.

Poucos dias antes do lançamento, os engenheiros ligaram a espaçonave Lucy em preparação para a missão. Este processo demorarou cerca de 20 minutos.

“A espaçonave ficou na configuração de lançamento e a equipe de engenharia monitorou continuamente sua saúde e status para garantir que Lucy estivesse pronta para partir”, disse Jessica Lounsbury, engenheira de sistemas do projeto Lucy em Goddard.

O investigador principal de Lucy é baseado em Boulder, Colorado, filial do Southwest Research Institute (SwRI), com sede em San Antonio, Texas. Goddard fornece gerenciamento geral de missão, engenharia de sistemas e segurança e garantia de missão. A Lockheed Martin Space em Littleton, Colorado, construiu a espaçonave. Lucy é a 13ª missão do Programa de Descoberta da NASA. O Marshall Space Flight Center da NASA em Huntsville, Alabama, gerencia o Programa de Descoberta para a Diretoria de Missões Científicas da agência em Washington. O lançamento é gerenciado pelo Programa de Serviços de Lançamento da NASA, com sede em Kennedy.

Assistam o vídeo da NASA do lançamento:

Mais informações na NASA sobre todas as etapas dessa missão, nos links abaixo:

  1. Cobertura ao vivo
  2. Exploring the Trojan Asteroids
  3. Lucy’s Solar Arrays Deployed
  4. Lucy Separates from the Centaur Upper Stage