IBM anuncia que desenvolveu o microchip mais poderoso e o menor do mundo

Aparentemente, os processadores de 2 nm podem usar 75% menos energia do que as CPUs de 7 nm para o mesmo desempenho.

O desafio constante da indústria de semicondutores sempre foi tentar fazer microchips que sejam menores, mais rápidos, mais poderosos e mais eficientes em termos de energia – simultaneamente. Infelizmente, desde o ano passado, houve uma escassez internacional de chips de computador e, em uma tentativa de reduzir a confiabilidade nas principais fundições na China e em Taiwan, a IBM acabou de criar o menor microchip do mundo em seu laboratório de teste.

A indústria de chips de computador costumava usar nanômetros – um nanômetro é um bilionésimo de um metro – para medir o tamanho físico dos transistores. Hoje, um número “nm” menor é amplamente visto como um termo de marketing para descrever as novas gerações de tecnologia, levando a melhor desempenho e menor consumo de energia.

A gigante da tecnologia americana disse que seu processo de 2 nm pode amontoar 50 bilhões de transistores em “um chip do tamanho de uma unha” – ante 30 bilhões quando anunciou sua descoberta de 5 nm em 2017. Para fins de contexto, os atuais chips de desktop de última geração são baseados no processo de 7nm, como os processadores Ryzen da AMD, que não se tornaram amplamente disponíveis até 2019 – quatro anos depois que a IBM anunciou que havia quebrado o processo de 7nm.

Os principais fabricantes de chips comerciais, como a norte-americana Intel e a taiwanesa TSMC, que fabrica os processadores AMD, já disseram que planejam construir fábricas de chips de nm ultrabaixa nos próximos anos. Dito isso, a mudança da IBM pode ser considerada um avanço.

O menor microchip do mundo

A IBM afirma que seu chip de teste pode melhorar o desempenho em 45% em relação aos produtos atuais de 7 nm disponíveis comercialmente. Ele também é considerado mais eficiente em termos de energia – usando 75% menos energia para corresponder ao desempenho atual. A IBM afirma que a tecnologia pode “quadruplicar” a vida útil da bateria dos telefones celulares, e os telefones só precisam ser carregados a cada quatro dias.

O chip de teste para seu processo de 2 nm, de acordo com a empresa, foi construído em seu laboratório de pesquisa em Albany, nos Estados Unidos. Os laptops receberiam um aumento de velocidade desses processadores, enquanto os veículos autônomos detectariam e reagiriam a objetos mais rapidamente, de acordo com a IBM. A empresa afirma que a tecnologia beneficiará empresas como eficiência energética de data centers, exploração espacial, inteligência artificial, 5G e 6G e computação quântica. Espera-se que os chips de 2 nm entrem em produção no final de 2024 ou 2025, o que não será cedo o suficiente para fazer uma diferença na atual escassez global de chips.

A IBM ficou à frente de seus concorrentes, pois o M1 e o A14 da Apple chegaram ao lado do Kirin 9000 da Huawei no outono passado como os primeiros processadores baseados no processo de nó de tecnologia de 5 nm da TSMC. Outros fabricantes, como AMD e Qualcomm, estão normalmente usando chips de 7 nm da TSMC agora, embora o Snapdragon 888 da Qualcomm seja fabricado com tecnologia de 5 nm da Samsung.

Quanto à Intel, é improvável que a empresa lance processadores de 7 nm até 2023; atualmente está usando chips de 10 nm e 14 nm. No entanto, os chips da Intel tendem a ter maior densidade de transistor do que rivais na mesma figura nm, então não é uma comparação igual. A TSMC, por sua vez, também está trabalhando em um processo de 2 nm e espera entrar em produção de volume de 4 nm e 3 nm no próximo ano.

No entanto, não está claro quando os processadores de 2 nm chegarão aos dispositivos de consumo, mas os especialistas reconhecem que anunciá-los e construí-los em escala são dois desafios distintos. Na verdade, a IBM planeja lançar seus primeiros processadores 7nm comerciais este ano em seus servidores Power Systems. Embora os processadores de 2 nm provavelmente levem pelo menos alguns anos para chegar aos laptops e telefones, é pelo menos bom saber que CPUs mais potentes e eficientes estão a caminho.

Com informações do The Verge