Biden diz ‘esperamos muito tempo para lidar com a crise climática’ em uma virada brusca na política ambiental norteamericana

O presidente dos EUA planeja cúpula mundial sobre clima, promete maior justiça ambiental e financiamento para comunidades de cor

Biden tem dito palavras que ​​até bem pouco tempo, durante a administração Trump, eram impensáveis. Ele não apenas mencionou a crise climática com tantas palavras, ele disse que os EUA não estavam apenas voltando ao acordo climático de Paris, mas estavam ansiosos para conversar com outras nações para ajudar “os mais vulneráveis ​​ao impacto das mudanças climáticas”.

O novo presidente anunciou que fará do combate às persistentes disparidades raciais e econômicas da América uma parte central de seu plano para combater a mudança climática, priorizando a justiça ambiental pela primeira vez em uma geração.

Como parte de um esforço sem precedentes para reduzir as emissões de gases de efeito estufa do país e criar novos empregos à medida que os Estados Unidos mudam para uma energia mais limpa, Biden direcionará agências em todo o governo federal para investir em comunidades de baixa renda e minorias que tradicionalmente suportam o peso da poluição, disseram funcionários da Casa Branca.

Biden assinará uma ordem executiva (equivalente ao decreto presidencial no Brasil) estabelecendo um conselho interagências da Casa Branca sobre justiça ambiental, criará um escritório de saúde e igualdade climática no Departamento de Saúde e Serviços Humanos e formará um escritório de justiça ambiental separado no Departamento de Justiça. A ordem também orienta o governo a gastar 40% de seus investimentos em sustentabilidade em comunidades carentes.

Risco Nuclear

A eleição de Joe Biden pode ser um passo em direção a um “mundo mais seguro e são”, mas o planeta permanece perigosamente perto da catástrofe nuclear e da mudança climática, a “100 segundos à meia-noite”, de acordo com um painel de cientistas renomados.

O Bulletin of the Atomic Scientists anunciou que os ponteiros de seu “Relógio do Juízo Final”, uma medida da “vulnerabilidade do mundo à catástrofe”, não haviam se movido desde o ano passado.

“A pandemia revelou o quão despreparados e relutantes os países e o sistema internacional estão para lidar com as emergências globais de maneira adequada”, disse o Boletim, cofundado em 1945 por Albert Einstein, em um comunicado.

Fakenews e desinformação

Acrescentou que o agravamento da disseminação da desinformação e das teorias da conspiração estava agindo como um multiplicador para o agravamento das ameaças do conflito nuclear e da emergência climática. A declaração não mencionou Donald Trump pelo nome, mas apontou para a tomada do Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro, que foi incitada pelo ex-presidente, dizendo que renovava “preocupações legítimas sobre os líderes nacionais que têm o controle exclusivo do uso de armas nucleares” .

“Em 2020, mentir online literalmente matou”, acrescentou.

A declaração saudou os primeiros passos de Biden como presidente, voltando ao acordo climático de Paris e estendendo o acordo de controle de armas New Start com a Rússia por cinco anos.

“A eleição de um presidente dos EUA que reconhece as mudanças climáticas como uma ameaça profunda e apóia a cooperação internacional e políticas baseadas na ciência coloca o mundo em uma posição melhor para enfrentar os problemas globais”, disse o Boletim.

“No contexto de um retorno pós-pandêmico à estabilidade relativa, mais tais demonstrações de interesse renovado e respeito pela ciência e cooperação multilateral poderiam criar a base para um mundo mais seguro e são.”

O presidente dos Estados Unidos prometeu convocar uma cúpula mundial no Dia da Terra (22 de abril) para falar sobre ações para os mais vulneráveis ​​e também sobre “resiliência coletiva”.

“A justiça ambiental estará no centro de tudo o que fizermos”, disse ele.

Ele falou sobre canalizar fundos federais extras para comunidades afetadas, por exemplo, pela poluição ambiental. Ele nomeou especificamente a região chamada “Beco do Câncer” da Louisiana.

Com informações das agências internacionais AP, The Guardian, Washington Post e outras