“Cortinas de algas” ecológicas podem ajudar a reduzir a poluição do ar em cidades populosas

A poluição do ar é um problema enorme em muitas áreas urbanas, mas dois arquitetos europeus desenvolveram cortinas plásticas cheias de plantas projetadas para transformar fachadas de edifícios em “paredes vivas” que ajudam a purificar o ar sujo.

A poluição do ar é um problema enorme em muitas áreas urbanas, mas dois arquitetos europeus desenvolveram cortinas plásticas cheias de plantas projetadas para transformar fachadas de edifícios em “paredes vivas” que ajudam a purificar o ar sujo.

Visão de dentro de onde foram instaladas.

As cortinas contêm uma rede labiríntica de tubos cheios de algas microscópicas, que, como todas as plantas verdes, removem o dióxido de carbono do ar enquanto bombeiam o oxigênio através do processo de sequestro de carbono conhecido como fotossíntese. O ar flui para o fundo das cortinas e sobe pelos tubos, alimentando as microalgas pelo caminho.

“Microalgas têm propriedades excepcionais que foram descobertas por biólogos que permitem que eles metabolizem parte do lixo que nossa cidade gera”, disse Claudia Pasquero, arquiteta da empresa ecológica EcoLogicStudio e uma das desenvolvedoras das cortinas de algas. . “O que fizemos foi tentar entender como podemos integrar as microalgas no ambiente urbano”.

Pasquero e seu parceiro no projeto, Marco Poletto, disseram que prevêem um mercado forte para as cortinas ecologicamente corretas, especialmente para uso em armazéns e outros grandes edifícios avaliados mais por sua função do que por sua aparência. Eles disseram que as cortinas poderiam ser vendidas por US $ 350 (R$ 1.400,00 aproximadamente) por metro quadrado, apesar de não especificarem quando uma versão comercial de seus protótipos de cortinas poderia estar disponível comercialmente.

No mês passado, os arquitetos exibiram um protótipo inicial das cortinas,
chamadas de Photo.Synth.Etica, na Irlanda, cobrindo o primeiro e segundo andares do Castelo de Dublin com mais de uma dúzia de cortinas. Coletivamente, as cortinas usadas para cobrir o castelo podem sugar mais de dois quilos de dióxido de carbono do ar por dia, de acordo com os arquitetos. Isso é aproximadamente a quantidade removida a cada dia por 20 árvores grandes, disseram eles.

Claudia Pasquero e Marco Poletto, arquitetos Claudia Pasquero e Marco PolettoAs arquitetas Claudia Pasquero e Marco Poletto dizem que suas “cortinas de algas” poderiam absorver mais de dois quilos de dióxido de carbono por dia, ou o equivalente a cerca de 20 árvores grandes.
É uma afirmação impressionante, mas nem todos estão convencidos.

Claudia Pasquero e Marco Poletto mostrando a cortina com dutos de algas que fazem a fotossíntese [Foto: NAARO]

“Eu aprecio os arquitetos pensando fora da caixa, mas essa abordagem parece mais um truque do que uma solução real”, disse Gaboury Benoit, professor de química ambiental em Yale, à NBC News MACH em um e-mail.

Mesmo que as cortinas sejam eficazes para remover o dióxido de carbono do ar, Benoit disse que elas não fornecem sombra, como as árvores fazem. E, ao contrário das cortinas, que, segundo os arquitetos, precisariam ser recondicionadas a cada dois ou três anos, as árvores são naturalmente auto-reabastecidas.

“Eu diria que as árvores fazem melhor, a menos que estudos detalhados me mostrem o contrário”, disse Benoit.

Mas Poletto disse que as cortinas poderiam ser projetadas para oferecer um pouco de sombra à construção de interiores, acrescentando que elas poderiam ser usadas em regiões onde o frio extremo limita o crescimento de árvores, bem como em espaços urbanos onde simplesmente não há lugar para plantá-las .

Uma coisa que não está em dúvida é a necessidade de encontrar novas maneiras de livrar a atmosfera do excesso de CO2. Um recente relatório da ONU sobre mudanças climáticas alertou que o mundo deve tomar medidas “sem precedentes” para salvar nosso planeta em aquecimento – e incluiu uma chamada para novas abordagens para o seqüestro de carbono.

Poletto disse que ele e Pasquero foram inspirados a desenvolver as cortinas ecológicas depois de perceber uma abundância de algas nas lagoas perto de seu escritório.

“Ao colaborarmos com os microbiologistas e aprendemos cada vez mais sobre o potencial das algas, tornou-se uma espécie de obsessão”, disse ele, acrescentando que ele e Pasquero estavam ansiosos para encontrar uma maneira esteticamente agradável de aproveitar a proeza de sugar as algas.

“Para nós, o aspecto do design é realmente essencial”, disse Pasquero, “por isso não é simplesmente uma inovação tecnológica – é uma solução de design”.

Com informações da Ecologic Studio, Dezeen

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.