Milhares de pessoas na Alemanha marcham pedindo o fim da energia gerada a partir do carvão

Milhares de pessoas marcharam em Berlim e Colônia no sábado pedindo à Alemanha que abandone a geração de eletricidade movida a carvão, na véspera de uma grande conferência sobre o clima na Polônia.

Organizadores em Berlim disseram que 16 mil manifestantes marcharam em Berlim – 5 mil de acordo com a polícia – em uma marcha colorida com cartazes, faixas e fantasias.

Na cidade de Colônia, no oeste do país, os organizadores disseram que 20 mil pessoas protestaram – 10 mil segundo a polícia.

Hubert Weiger, porta-voz de uma organização, “Bund”, pediu à Alemanha que se comprometa a retirar o carvão até 2030.

Espera-se que o governo estabeleça um calendário para eliminar fontes poluentes de energia, como o carvão, no início do próximo ano.

Já em 2011, a chanceler Angela Merkel decidiu interromper a geração de energia nuclear até 2022, na esteira do desastre no colapso do reator de Fukushima no Japão.

Em parte devido a essa decisão, o carvão continua sendo a pedra angular da geração de energia na política energética da Alemanha, respondendo por quase 40% da produção de energia do país.

As marchas aconteceram antes da cúpula climática COP24, que será inaugurada na Polônia no domingo. Delegados de quase 200 países devem comparecer em Katowice para o encontro, que pretende renovar e construir o acordo de Paris que limita o aquecimento global.