REUTERS / Vincent Kessle

Ranking de Competitividade Global 4.0 : Brasil perde 3 posições e Portugal sobe 8

 

Brasil cai em ranking de competitividade e fica atrás do Chile e Uruguai

O Global Competitiveness Index 4.0 avalia os fundamentos microeconômicos e macroeconômicos da competitividade nacional, que é definida como o conjunto de instituições, políticas e fatores que determinam o nível de produtividade de um país.

A classificação foi divulgada pelo Fórum Econômico Mundial, que, neste ano, apresentou o Brasil na 72ª posição. No ano passado, a economia brasileira era a 69ª mais competitiva do mundo.

Portugal subiu de 42.º lugar para 34.º, este ano, no conjunto de 140 países. A avaliação deste ano foi melhor do que em 2014, tendo também a pontuação subido de 4,57 para 4,91, atingindo assim a situação que Portugal tinha em 2005.

Portugal tem feito um esforço muito grande nos últimos anos, estimulados também pelo plano Portugal 2020, que tem fomentado investimentos em novos negócios, startups, renovação e criaçao e novas indústrias na região.

A metodologia seguida pelo WEF – World Economic Forum desde 2006, com o apoio de Michael Porter, que considerava positivamente os ‘países em vias de desenvolvimento’, sofreu uma alteração profunda e agora em 2018 foi retirada, tendo sido antes considerada a Economia 4.0.

Foi graças a esta mudança de metodologia do WEF que aparentemente Portugal  ultrapassou nove países, embora tenha sido ultrapassado pela Itália. Se a mesma metodologia fosse aplicada a 2017, Portugal nesse ano ficado em 33.º, tendo então caído uma posição, para 34.º, ultrapassados pelo Chile.

A Estônia ficou em 32º lugar no novo índice e em comparação com o ranking do ano passado, a Estônia caiu dois lugares.

Os rankings foram liderados este ano pelos EUA, Cingapura e Alemanha.

A Suíça, que liderou o ranking por nove anos, caiu para o quarto lugar este ano.

Dos vizinhos da Estônia, a Finlândia ficou em 11º, a 40ª da Lituânia, a 42ª da Letônia e a 43ª da Rússia.

O WEF utiliza indicadores de 12 categorias, ou pilares, no cálculo da competitividade de um país, incluindo infraestrutura, ensino superior e treinamento, mercados de trabalho, mercados financeiros e inovação.

 

O Brasil, considerando apenas os Países da América Latina, fica em 8o nesse ranking, mesmo sendo a maior potência econômica da região.

Chile e México se mantém na liderança dentro dos países latino-americanos.

Venezuela e Haiti estão nas últimas colocações. Em um total de 140 países, Venezuela está em 127 e Haiti 138.

 

Sobre o Ranking

Embora a competitividade não seja um jogo de soma zero entre os países, as comparações entre países podem ser instrutivas, apontando para benchmarks e melhores práticas. O GCI 4.0, portanto, apresenta um ranking de países, como nos anos anteriores, mas visa concentrar o debate em três questões fundamentais:

  • Quais áreas um país deve priorizar ?;
  • Um país está progredindo ao longo do tempo? e
  • O que um país pode aprender dos países com melhor desempenho?

Esse índice faz isso por meio de uma abordagem de “distância à fronteira”, na qual o desempenho de cada componente é avaliado em relação à “fronteira” ou estado ideal. As partes interessadas são encorajadas a perguntar se seu país está se aproximando da fronteira em uma determinada área, onde sua distância até a fronteira é a maior e o que ela pode aprender com aqueles que apresentam melhor desempenho em áreas selecionadas.

Globalmente, a pontuação média é de 60. Vinte e um países, incluindo 18 na África subsaariana, têm pontuação inferior a 50. Com uma pontuação de 35,5 – 50 pontos a mais do que os Estados Unidos – o Chade é o mais distante da fronteira e, portanto, classificado último.

As mudanças no Ranking em 2018

Na era da Quarta Revolução Industrial, todas as economias têm a oportunidade de traçar um caminho para a competitividade.

Durante a maior parte do século XX, o caminho para o desenvolvimento parecia relativamente claro: seria esperado que os países de baixa renda se desenvolvessem por meio da industrialização progressiva, aproveitando a mão-de-obra não qualificada. Hoje, a sequência ficou menos clara. Por exemplo, a robótica está tornando a fabricação leve menos trabalhosa. No entanto, a 4IR (4th Industrial Revolution)  também está tornando mais viável para os países de renda mais baixa saltar em determinadas áreas. As TIC (Tecnologias da Informação e Comunicação), por exemplo, demonstraram facilitar o acesso a serviços básicos e possibilitar novos modelos de negócios. As TIC e a globalização permitem a rápida transferência de ideias e tecnologias e diminuem as barreiras à inovação, oferecendo novas formas de desenvolvimento.

O GCI 4.0 reflete essa crescente complexidade de priorização de políticas, deixando de ponderar os pilares de acordo com o estágio de desenvolvimento de um país. Em vez disso, a pontuação geral é simplesmente a média das 12 pontuações do pilar. Todos os fatores de competitividade são importantes para todos os países, independentemente de seu estágio de desenvolvimento, e qualquer pilar pode ser considerado uma prioridade em potencial. O 4IR torna razoável levar essa abordagem mais agnóstica ao nível de renda e exige uma abordagem mais abrangente para a priorização de políticas. Isso é apoiado pelos resultados do GCI: a competitividade geral de um país depende, em grande medida, do desempenho desse país nos impulsionadores relativamente básicos da competitividade.

Segue a lista dos primeiros colocados no ranking Global 4.0.

Fonte: World Economic Forum

O ranking apenas com países da américa latina (américa do sul, central e caribe)

Fonte: World Economic Forum

Com informações do World Economic Forum : The Global Competitiveness Rank 4.0

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.