Greenpeace together with the #breakfreefromplastic coalition conduct a beach cleanup activity and brand audit on Freedom Island, Parañaque City, Metro Manila, Philippines. The activity aims to name the brands most responsible for the plastic pollution happening in our oceans. A banner reads "Polluted by Single-use Plastic". Freedom island is an ecotourism area which contains a mangrove forest and swamps providing a habitat for many migratory bird species from different countries such as China, Japan and Siberia.

Auditoria revela que maioria do plástico que contamina os litorais vem da Coca-Cola, Pepsi e Nestlé

 

Coca-Cola, PepsiCo e Nestlé foram as empresas mais frequentes identificadas em 239 limpezas e auditorias de marcas em 42 países e seis continentes, anunciou hoje o movimento Break Free From Plastic. Mais de 187.000 peças de lixo plástico foram auditadas, identificando milhares de marcas cujas embalagens dependem dos plásticos descartáveis ​​que poluem nossos oceanos e cursos d’água globalmente. A Coca-Cola foi a maior poluidora na auditoria global, com a poluição por plástico da marca Coca-Cola encontrada em 40 dos 42 países participantes. Este esforço de auditoria de marca é o retrato mais abrangente das piores empresas poluidoras de plásticos em todo o mundo.

As Auditorias

“Essas auditorias de marca oferecem uma prova inegável do papel que as corporações desempenham na perpetuação da crise global da poluição por plásticos”, disse o coordenador global do Break Free From Plastic Von Hernandez. “Ao continuar produzindo embalagens plásticas descartáveis ​​problemáticas e não recicláveis ​​para seus produtos, essas empresas são culpadas de destruir o planeta em grande escala. Está na hora de eles assumirem e deixarem de transferir a culpa para os cidadãos por seus produtos esbanjadores e poluentes. ”

Créditos: GreenPeace

As auditorias, lideradas por organizações membro da Break Free From Plastic [1], descobriram que a Coca-Cola, a PepsiCo, a Nestlé, a Danone, a Mondelez International, a Procter & Gamble, a Unilever, a Mars Incorporated e a Colgate-Palmolive eram as mais marcas multinacionais freqüentes coletadas em limpezas, nessa ordem. Esse ranking de empresas multinacionais incluía apenas marcas encontradas em pelo menos dez dos 42 países participantes. No geral, o poliestireno, que não é reciclável na maioria dos locais, era o tipo mais comum de plástico encontrado, seguido de perto pelo PET, um material usado em garrafas, recipientes e outras embalagens.

Os maiores ofensores

Os principais poluidores na Ásia, segundo a análise, foram as marcas Coca-Cola, Perfetti van Melle e Mondelez International. Essas marcas foram responsáveis ​​por 30% de toda a poluição de plástico da marca, contada por voluntários em toda a Ásia. As auditorias da marca deste ano em toda a Ásia se baseiam em uma limpeza e auditoria de uma semana na Ilha da Liberdade em 2017, nas Filipinas, que descobriu que a Nestlé e a Unilever são as principais poluidoras.

“Pagamos o preço pela dependência de plásticos descartáveis ​​baratos por parte de empresas multinacionais”, disse Abigail Aguilar, ativista do Greenpeace no Sudeste Asiático – Filipinas. “Somos obrigados a limpar sua poluição plástica em nossas ruas e cursos d’água. Nas Filipinas, podemos limpar praias inteiras e no dia seguinte elas estão tão poluídas quanto os plásticos. Por meio de auditorias de marcas, podemos citar alguns dos piores poluidores e exigir que eles parem de produzir plástico para começar. ”

Nas Américas do Norte e do Sul, as marcas Coca-Cola, PepsiCo e Nestlé foram os principais poluidores identificados, responsáveis ​​por 64 e 70% de toda a poluição de plástico da marca, respectivamente.

“Na América Latina, as auditorias da marca colocam a responsabilidade sobre as empresas que produzem plásticos inúteis e os governos que permitem que as empresas coloquem a carga, da extração ao descarte, em comunidades em grande parte vulneráveis ​​e pobres”, disse Magdalena Donoso, coordenadora do GAIA para a América Latina. “Os membros da BFFP na América Latina estão expondo essa crise e promovendo estratégias de desperdício zero em conexão com nossas comunidades.”

Na Europa, as marcas Coca-Cola, PepsiCo e Nestlé foram novamente as principais poluidoras identificadas, representando 45% da poluição plástica encontrada nas auditorias de lá. Na Austrália, as marcas 7-Eleven, Coca-Cola e McDonald’s foram os principais poluidores identificados, responsáveis ​​por 82% da poluição plástica encontrada. E finalmente, na África, as marcas ASAS Group, Coca-Cola e Procter & Gamble foram as principais marcas coletadas, respondendo por 74% da poluição de plástico existente.

“Essas auditorias da marca estão devolvendo a responsabilidade ao local, com as corporações produzindo quantidades infinitas de plásticos que acabam no Oceano Índico”, disse Griffins Ochieng, Coordenador de Programas do Centro de Justiça e Desenvolvimento Ambiental no Quênia. “Realizamos limpezas e auditorias de marca em dois locais no Quênia para identificar os piores poluidores corporativos da região e responsabilizá-los. É mais urgente do que nunca, para o bem das comunidades que dependem do oceano para sua subsistência, saúde e bem-estar, libertar-se do plástico.

A Break Free From Plastic apela às corporações para que reduzam o uso de plástico de uso único, reprojetem sistemas de entrega para minimizar ou eliminar embalagens e assumam a responsabilidade pela poluição plástica que estão injetando em sistemas de gerenciamento de resíduos já estressados ​​e no meio ambiente.

Embora as auditorias da marca não forneçam uma imagem completa das pegadas de poluição de plástico das empresas, elas são a melhor indicação até hoje dos piores poluidores plásticos do mundo. O movimento Break Free From Plastic está pedindo às empresas que acabem com sua dependência de plásticos de uso único, priorizando a inovação e sistemas alternativos de entrega de produtos.

Com informações da Break Free From Plastic

Com informações do conjunto total de resultados encontrados nos relatórios de auditoria da marca Break Free From Plastic :

[1] Break Free From Plastic é um movimento global que prevê um futuro livre da poluição do plástico. Desde o seu lançamento em setembro de 2016, quase 1.300 grupos de todo o mundo aderiram ao movimento para exigir reduções maciças em plásticos de uso único e para buscar soluções duradouras para a crise da poluição plástica. Essas organizações compartilham os valores comuns de proteção ambiental e justiça social, que orientam seu trabalho no nível da comunidade e representam uma visão global e unificada. www.breakfreefromplastic.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.