Créditos: Jason Howie

Créditos: Jason Howie

Redes Sociais: Cientista aponta manipulação, ódio e riscos à privacidade de adultos e crianças

 

As redes sociais estão transformando as pessoas em seres rancorosos, com falta de empatia, tristes, assustadoras, isoladas e banais.

Livro de Jaron Lanier já tem sua versão em espanhol

As redes sociais estão transformando as pessoas em seres rancorosos, com falta de empatia, tristes, assustadoras, isoladas e banais.  Essas plataformas foram submetidas a  uma crise de reputação e, como resultado de sua falta de cuidado com o chamado “fake news” (notícias falsas) – ou tratamento demasiado permissivo contra mensagens extremistas tem feito mais valer ou não a pena fazer parte desses serviços que, como no caso do Facebook, acumulam mais de 2.3 bilhões de usuários em todo o mundo.

É isso que o cientista e escritor Jaron Lanier considera em seu último ensaio, intitulado  Ten Arguments for Deleting Your Social Media Accounts Right Now (Dez razões para apagar suas redes sociais imediatamente, em tradução livre). Um trabalho de autêntica reflexão que caminha através de certas controvérsias em que mostra como se manter autônomo e independente em um mundo em que o Facebook, o Twitter, o Google e a empresa nos monitoram incessantemente e se tornam cada vez mais poderosos e ricos.

Para aqueles que ainda não perceberam, as grandes corporações tecnológicas ganham quantias infinitas de dinheiro às custas dos usuários, influenciando seu comportamento e mudando-o à vontade. Apesar dessa dura realidade, “a própria Internet não é um problema”, esclarece o autor.  Lanier é cientista e escritor, conhecido por fundar a primeira empresa de realidade virtual (VPL Research) nos anos 80, que domina perfeitamente o mundo “tecnológico” do Vale do Silício.

“Você não precisa desistir de seus amigos”, mas “não há necessidade de existir uma empresa trapaceira entre você e eles”, continua ele. Além disso, explica ele, o usuário pode assistir a vídeos no YouTube sem usar uma conta do Google. “Você terá uma experiência muito menos manipuladora”.

Embora a maioria dos usuários não esteja ciente, a verdade é que as redes sociais implantam uma vigilância tão constante que são capazes de manipular o inconsciente de cada pessoa. Por essa razão, Lanier oferece dez argumentos para apagar nosso rastro da Rede, detalhando como a rede de empresas de tecnologia se dedica a coletar dados de milhões de usuários e lidar com um turbilhão de informações a seu bel-prazer. Basta lembrar o caso Cambridge Analytica, empresa que ficou conhecida por ter acesso a dados de milhões de usuários do Facebook e supostamente se utilizou dessas informações para manipular opiniões em votações pelo mundo, como a do Brexit e as eleições Norte-Americanas. (ver artigo a respeito no The Guardian).

O produto é você
Jaron Lanier em apresentação no TED falando sobre a Internet. Créditos: TED

Dentre as razões dadas por Lanier para fugir das redes sociais estão a da perda do livre arbítrio com publicidade direcionada ou a infelicidade que o Facebook realmente gera, não importando o quanto Mark Zuckerberg insiste em “conectar pessoas”. Deve ser lembrado que os “Amigos” da maior rede social são, na verdade, seres manipulados, isto é, o produto, não o cliente.

A influência das redes sociais na política, como tem sido demonstrado em diversas ocasiões, ou mesmo na economia, já que o modelo de negócio dessas empresas é baseado na coleta de dados dos usuários e na obtenção de dinheiro com eles, eles são outros das razões analisadas pelo autor. Por mais louco que essa ideia pareça, o especialista garante que o usuário economizará tempo “assumindo o controle” de sua própria vida.

“Você ficará surpreso ao descobrir”, ele diz, “quanto tempo eles fizeram você perder os estratagemas de aborrecimento.” Se o usuário deixar suas contas, mesmo que por pouco tempo, será capaz de se conscientizar, pensar por si, sem influências ou truques obscuros que as redes sociais executam indiscriminadamente. “Se você quer uma vida mais feliz, um mundo mais justo e pacífico, ou simplesmente a oportunidade de pensar por si mesmo sem ser monitorado e influenciado pelas corporações mais ricas da história, a melhor coisa que você pode fazer é cancelar suas contas”, insiste.

Descontentamento com as redes sociais

Cerca de um quarto dos usuários do Facebook nos Estados Unidos deletou o aplicativo do smartphone no último ano, mostra uma pesquisa da Pew Research Center divulgada esta semana. A pesquisa fala da mudança da relação dos americanos com o Facebook.

Além disso, mais da metade (54%) dos usuários com 18 anos ou mais afirmaram ter ajustado as configurações de privacidade nos últimos 12 meses.

Quatro de 10 usuários disseram que pararam de checar a rede social por diversas semanas; e 74% dos entrevistados responderam que tomaram uma dessas ações no último ano.

Na Europa, com dados do  Company filings, o Facebook já perdeu mais de 3 milhões de usuários nos últimos 12 meses, apesar de, globalmente, ainda estar crescendo.

Snap Inc, a empresa-mãe do aplicativo conhecido por suas mensagens desaparecidas e filtros de fotos, revelou que nos três meses até o final de junho os números de usuários ativos diários diminuíram de 191 milhões para 188 milhões, um declínio de 1,5%.

Segurança das crianças em jogo
Créditos: ExpectGrain/Flicker

Um outro estudo aponta que três de cada dez pais (30%) publicam pelo menos uma vez ao dia imagens ou vídeos em que seus filhos aparecem através de seus perfis pessoais de redes sociais, e 12% até fazem quatro ou mais vezes por dia. Este estudo foi realizado pela empresa de segurança cibernética McAfee.

Os resultados da pesquisa ‘The Age of Consent’ (idade do consentimento) pela agência de segurança McAfee coleta que os pais estão conscientes dos riscos que os filhos enfrentam quando postar on social fotos de rede que aparecem, como a pedofilia (49%), assédio (48%), possibilidade de sequestro (45%) ou cyberbullying (31%).

Apesar de postar fotos de menores em redes sociais pode representar um risco para a segurança das crianças, 70% dos pais publicam exclusivamente este tipo de conteúdo em suas contas de redes sociais privadas

O consentimento por parte de uma criança para que o conteúdo relacionado a ele termine na Internet é um aspecto do qual ainda existem pessoas que não contemplam. 58% dos pais nem sequer consideram se o seu filho daria permissão para a publicação de fotos e vídeos, enquanto 22% não acreditam que menores devem ser autorizados a fazê-lo. Para 19%, é uma decisão que deve ser sempre deixada para adultos.

Muitos pais também reconhecem que compartilham informações pessoais e privadas sobre seus filhos na Internet quando compartilham as fotos. Metade dos pais já publicou ou publicou uma foto de seu filho vestida com uniforme escolar, uma atitude que pode comprometer a segurança da criança, pois a roupa pode revelar a qualquer um a localização da criança.

Além disso, há pais que integram seus filhos em suas redes sociais de forma recorrente, já que 30% deles publicam uma foto ou vídeo deles pelo menos uma vez por dia e 12% divulgam as fotos pelo menos quatro vezes ao dia. .

O consumidor gerente de produto e mobilidade McAfee Espanha, Francisco Sancho, alertou que “se as imagens compartilhadas cair nas mãos erradas, você pode obter para roubar informações sensíveis, tais como data de nascimento, endereço, escola ou até mesmo o nome completo da criança

Dos adultos ainda não ter em conta o que pode representar um nível psicológico de uma criança está na Internet contra a vontade, porque apenas 23% estão preocupados que a criança desenvolve a ansiedade ou preocupação sobre publicação de uma foto que aparece e apenas 30% acham que poderiam envergonhar seu filho.

“Os pais querem compartilhar essas imagens com amigos e familiares por meio de redes sociais, mas devem levar em conta os riscos emocionais e de segurança envolvidos na publicação dessas imagens em nome de seus filhos”. Francisco Sancho, Gerente de produto e mobilidade da McAfee Espanha
Compartilhe fotos com segurança

Os pais podem continuar compartilhando fotos e vídeos de seus filhos com seus amigos e familiares através das redes sociais, mas vale a pena levar em consideração algumas dicas para reduzir os riscos aos quais as crianças estão expostas.

Por exemplo, desativar a geolocalização das redes sociais pode impedir a publicação de uma fotografia quando o local é compartilhado, especialmente quando há menores entre eles. O risco de compartilhar informações sobre lugares frequentados pela criança é reduzido.

Configure a privacidade das redes sociais para compartilhar imagens em redes sociais com um público particular. No entanto, a McAfee alerta que tudo o que é publicado em plataformas como Facebook ou Instagram, deve ser considerado como “informação pública”.

Também é conveniente que os pais estabeleçam regras com seus amigos, parentes e até seus filhos sobre a publicação de imagens de menores. A publicação dessas fotografias deve ter a permissão explícita dos pais e estes, além disso, devem levar em conta as regras que estabelecem para evitar situações de ansiedade ou constrangimento de seus filhos.

Por fim, os pais devem assumir o controle das informações pessoais que são compartilhadas e colocar limites, por exemplo, no cartão de crédito dos menores, caso o tenham.

Decálogo para sair das redes sociais, segundo Jaron Lanier

1. Você está perdendo seu livre arbítrio

2.- É a melhor maneira de resistir à loucura do nosso tempo

3.- Eles estão transformando você em um idiota

4.- Eles estão minando a verdade

5.- Eles estão esvaziando tudo o que você diz

6.- Eles estão destruindo sua capacidade de empatia

7.- Eles fazem você se sentir infeliz

8.- Eles não querem que você tenha dignidade econômica

9.- Eles tornam a política impossível

10.- Eles abominam sua alma

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.