e-vote: O futuro das eleições na Europa?

 

Cerca de 17 milhões de cidadãos da UE detêm a nacionalidade de um Estado-Membro em que não vivem atualmente.  Embora a elegibilidade dos expatriados para votar nas eleições nacionais difira de país para país, a maioria dos Estados-Membros da UE dispõe de alguma possibilidade para permitir aos eleitores estrangeiros no dia das eleições – geralmente através de um ou uma mistura de voto por correspondência, voto por procuração ou voto em consulados ou embaixadas.

Nenhuma das opções é ideal. Embora a votação em pessoa seja considerada o padrão-ouro para reduzir o risco de fraude, alguns países não dispõem de uma rede suficientemente ampla de embaixadas para possibilitar isso no exterior. O voto por procuração é mais raro e levanta questões de confiança em relação ao sigilo do voto. As cédulas postais podem ser mais adequadas para uma grande ou ampla diáspora, mas apresentam outros riscos, como fraude e identificação de eleitores. Além disso, qualquer interrupção nas rotas postais pode ser um risco – como o Reino Unido descobriu quando a erupção de um vulcão islandês interrompeu o tráfego aéreo antes da eleição geral de 2010 e impediu a entrega de cédulas de papel para alguns eleitores no exterior.

Em sua essência, votar é a transmissão de informações – a preferência eleitoral – do eleitor para a comunidade. A esse respeito, que escopo existe para a tecnologia facilitar o processo de votação no exterior?

A Estônia – ou E-Stonia, como diz o apelido – tem outra opção: desde 2004, os eleitores têm conseguido usar o sistema nacional de identificação do país para votar on-line. O interesse na votação online tem crescido em toda a Europa. A Lituânia parece destinada a seguir o exemplo, com planos de introduzir um sistema de votação on-line para as eleições até 2022. Enquanto isso, a consulta do governo escocês sobre a reforma eleitoral (PDF) está flutuando na perspectiva de votação pela Internet para seu parlamento.

No entanto, a perspectiva de votação pela internet não foi universalmente bem recebida. A França ofereceu votação pela internet para eleitores no exterior para eleições legislativas em 2012, mas decidiu encerrar essa prática antes das eleições legislativas de 2017 devido aos temores de interferência cibernética. Da mesma forma, após os pilotos de votação pela Internet em 2003 e 2007, a Comissão Eleitoral do Reino Unido recomendou que a votação pela Internet não fosse realizada (PDF) até que questões relacionadas à segurança e transparência pudessem ser abordadas.

A Finlândia é outro país que flertou com a perspectiva de votação pela internet em 2016, mas abandonou os planos com base na recomendação de um grupo de trabalho. E enquanto a Estônia agora tem um mecanismo estabelecido para votar nas eleições, uma análise de segurança independente da Universidade de Michigan e parceiros alegou uma série de riscos no sistema, incluindo vulnerabilidades de software e erros de segurança humana, como baixar softwares, chaves através de conexões não seguras. .

Soluções tecnológicas em vários estágios do processo de votação exigirão novas idéias sobre a administração eleitoral.

Independentemente dos benefícios ou desvantagens percebidos, a proliferação de soluções tecnológicas em vários estágios do processo de votação exigirá um novo pensamento sobre a administração eleitoral. Pode exigir maior confiança em provedores terceirizados na implementação de plataformas digitais, particularmente no que diz respeito a software e processos comercialmente sensíveis. Estes podem ter consequências para a responsabilização e transparência.

Eleições ativadas também exigirão novas idéias sobre os padrões de auditoria e observação de eleições, com os observadores eleitorais tradicionais tendo dificuldades em entender o novo software. Além disso, a mesma automação de processos que torna o voto eletrônico eficiente também pode torná-lo vulnerável a fraudes ou erros em larga escala. Portanto, os riscos deverão ser bem compreendidos e as salvaguardas apropriadas deverão ser implementadas.

Em última análise, embora o interesse em soluções tecnológicas para as eleições seja possivelmente o mais alto de todos os tempos, há apenas alguns sistemas de votação on-line maduros para aprender. Países que pretendem pilotar eleições e-habilitados certamente podem aprender com a Estônia, Canadá, Suíça e outros países com soluções tecnológicas estabelecidas para votação remota – mas também devem aprender com aqueles que nunca chegaram à plena implementação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.