USB-C será obrigatório para smartphones vendidos na UE ‘até o outono de 2024’

Os legisladores da União Europeia chegaram a um acordo sobre a legislação que forçará todos os futuros smartphones vendidos na UE – incluindo o iPhone da Apple – a serem equipados com a porta USB-C universal para carregamento com fio até o outono (do hemisfério norte) de 2024. A regra também se aplicará a outros dispositivos eletrônicos incluindo tablets, câmeras digitais, fones de ouvido, consoles de videogame portáteis e e-readers. Os laptops terão que cumprir a regra posteriormente.

A legislação está em desenvolvimento há mais de uma década, mas um acordo sobre seu alcance foi alcançado esta manhã após negociações entre diferentes órgãos da UE.

“Hoje tornamos o carregador comum uma realidade na Europa!” disse o relator do Parlamento Europeu, Alex Agius Saliba, em comunicado à imprensa. “Os consumidores europeus ficaram frustrados por muito tempo com vários carregadores se acumulando a cada novo dispositivo. Agora eles poderão usar um único carregador para todos os seus eletrônicos portáteis.” A legislação também inclui disposições destinadas a abordar os carregadores sem fio no futuro, bem como harmonizar os padrões de carregamento rápido.

A legislação ainda precisa ser aprovada pelo Parlamento e Conselho da UE ainda este ano, mas isso parece ser uma formalidade. Em um comunicado à imprensa, o Parlamento Europeu afirmou claramente que a lei estará em vigor “até o outono de 2024”. Até esta data, todos os dispositivos cobertos pela lei e vendidos na UE terão que usar USB-C para carregamento com fio.

A introdução de um “carregador comum” é uma tentativa da UE de reduzir o lixo eletrônico e facilitar a vida dos consumidores. Os legisladores esperam que, no futuro, telefones e aparelhos semelhantes não precisem vir com carregador na caixa, pois os compradores já terão os acessórios apropriados em casa. A UE estima que a legislação poderia economizar aos consumidores 250 milhões de euros por ano em “compras desnecessárias de carregadores” e reduzir cerca de 11.000 toneladas de lixo eletrônico anualmente.

O acordo terá o maior impacto na Apple, que é a única grande fabricante de smartphones a ainda usar uma porta proprietária em vez de USB-C. Em 2021, a Apple vendeu 241 milhões de iPhones globalmente, dos quais cerca de 56 milhões foram vendidos na Europa.

Quando perguntado durante uma coletiva de imprensa se a UE estava visando especificamente a Apple, Thierry Breton, comissário para o mercado interno da UE, disse que não era o caso. “A regra vale para todos. Não é adotado contra ninguém”, disse Breton. “Estamos trabalhando para os consumidores, não para as empresas, e temos que dar regras a essas empresas; regras claras para entrar no mercado interno”.

O relator Saliba acrescentou: “Dentro de dois anos, se a Apple quiser vender seus produtos em nosso mercado interno, eles devem cumprir nossas regras e seu dispositivo terá que ser USB-C”.

No entanto, o comunicado de imprensa da UE diz que a nova legislação se aplica a dispositivos “que são recarregáveis ​​por meio de um cabo com fio”. Isso significa que a Apple pode evitar adicionar USB-C aos seus dispositivos criando um telefone que carrega apenas sem fio (como já havia rumores). No entanto, relatórios recentes dizem que a empresa está testando iPhones com USB-C internamente, e o analista da Apple, Ming-Chi Kuo, afirma que a Apple pode fazer a troca já no próximo ano. A Apple já usa o padrão USB-C em laptops e alguns tablets.

A Comissão Europeia anunciou seus planos atuais para essa legislação em setembro passado, mas os esforços do bloco para forçar os fabricantes a usar um padrão de carregamento comum remontam a mais de uma década. Nos anos seguintes, os fabricantes do Android convergiram para o micro USB e depois o USB-C como o padrão de carregamento comum de escolha, enquanto a Apple passou de oferecer telefones com seu conector proprietário de 30 pinos para Lightning.

A Apple rejeitou as tentativas da UE de forçar o USB-C em seus dispositivos. “Continuamos preocupados com o fato de que uma regulamentação rigorosa que exige apenas um tipo de conector sufoca a inovação em vez de encorajá-la, o que, por sua vez, prejudicará os consumidores na Europa e em todo o mundo”, disse um porta-voz à Reuters no ano passado. Também é argumentado que forçar uma mudança para USB-C criaria lixo eletrônico em vez de reduzi-lo, porque tornaria redundante seu ecossistema existente de acessórios Lightning.

Os críticos dizem que a nova legislação sufocará a inovação ao desincentivar os fabricantes de desenvolver padrões de cobrança aprimorados. A UE nega que seja esse o caso e diz que atualizará a legislação à medida que novas tecnologias forem desenvolvidas.

“Não pense que estamos definindo algo para os próximos 10 anos”, disse Breton na entrevista coletiva. “Temos um padrão que está sendo desenvolvido e temos uma equipe dedicada que vai ficar de olho em tudo isso e se adaptar com o passar do tempo. Vamos evoluir.”

Um aspecto da lei que ainda precisa ser resolvido, porém, é um padrão de cobrança para laptops. Embora os fabricantes de telefones tenham 24 meses após a adoção da legislação neste verão para adaptar seus dispositivos, esse prazo é maior para os fabricantes de laptops: 40 meses. Os legisladores da UE dizem que isso se deve à dificuldade em criar um carregador padrão que se aplique a laptops com diferentes requisitos de energia.

“Não temos essa certeza tecnológica em um padrão que possa atender laptops entre 100 e 240 watts”, disse o relator Saliba. “Nossa linha de raciocínio foi estender o prazo para que os laptops tivessem um padrão claro.”