Estudo no Brasil não encontra benefício de hidroxicloroquina para COVID-19

O ensaio clínico, realizado em 55 hospitais em todo o Brasil e publicado no New England Journal of Medicine, testou se a hidroxicloroquina melhorou a condição de pacientes com casos leves a moderados de COVID-19, isoladamente ou em combinação com o antibiótico azitromicina.

Um estudo publicado quinta-feira (23 de julho) sobre o uso da hidroxicloroquina no Brasil para tratar o COVID-19 considerou a droga ineficaz, o mais recente golpe na pressão do presidente Jair Bolsonaro por seu uso generalizado.

O ensaio clínico, realizado em 55 hospitais em todo o Brasil e publicado no New England Journal of Medicine, testou se a hidroxicloroquina melhorou a condição de pacientes com casos leves a moderados de COVID-19, isoladamente ou em combinação com o antibiótico azitromicina.

O governo de Bolsonaro recomenda desde maio que os médicos do sistema público de saúde do Brasil prescrevam hidroxicloroquina ou o medicamento anti-malária relacionado à cloroquina, além da azitromicina, desde o início dos sintomas do novo coronavírus.

Como o presidente dos EUA, Donald Trump, a quem ele admira, Bolsonaro elogiou a hidroxicloroquina como tratamento para o COVID-19.

O líder de extrema direita está tomando o remédio, depois de tomar o vírus no início deste mês.

No entanto, uma série de ensaios clínicos randomizados (ECR), considerados o padrão ouro para investigação clínica, descobriram que a droga é ineficaz contra o coronavírus e tem efeitos colaterais potencialmente prejudiciais.

O ECR brasileiro chegou à mesma conclusão.

O Brasil tornou-se essencialmente o maior campo de testes do mundo para as drogas por causa da política do governo Bolsonaro.

“Entre os pacientes hospitalizados com COVID-19 leve a moderado, o uso de hidroxicloroquina, sozinho ou com azitromicina, não melhorou o estado clínico em 15 dias em comparação com o tratamento padrão”, disse o estudo por médicos e pesquisadores de um grupo. chamada Coalizão COVID-19 Brasil.

Os membros do grupo compreendem dois institutos de pesquisa e seis hospitais, incluindo o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, considerado um dos melhores da América Latina.

O estudo, realizado em 667 pacientes, também descobriu que aqueles em hidroxicloroquina desenvolveram marcadores clínicos que aumentaram o risco de problemas cardíacos e hepáticos.

Os autores reconheceram, no entanto, que o estudo tinha várias limitações, incluindo que não era “cego” – os pacientes e seus médicos sabiam se estavam ou não no grupo controle.

A distribuição das pontuações dos pacientes na escala ordinal de sete níveis aos 15 dias

“O julgamento não pode excluir definitivamente um benefício substancial dos medicamentos ou um dano substancial”, disseram eles.

O Brasil tem o segundo maior número de infecções e mortes na pandemia, depois dos Estados Unidos: 2,3 milhões e 84.000, respectivamente.

Bolsonaro, que minimizou o vírus como uma “pequena gripe”, critica ferozmente o impacto econômico das medidas de distanciamento social, argumentando que elas são piores que a própria doença.

Fonte: New England Journal of Medicine