Líderes da UE fecham acordo de neutralidade de carbono para 2050 sem a Polônia

Os líderes da UE apoiaram planos para reduzir as emissões de carbono do bloco para zero em 2050 – com exceção da Polônia dependente de carvão. A meta faz parte de um plano para tornar a Europa o primeiro continente neutro em termos de clima.

A cúpula foi a primeira desde que a presidente da Comissão Européia, Ursula von der Leyen, lançou seu “Acordo Verde Europeu” – um plano para rever a economia da UE e alcançar a neutralidade climática em meados do século.

A meta para 2050 é um compromisso essencial no âmbito do Acordo de Paris de 2015 sobre as mudanças climáticas. Para conseguir isso, os países da UE terão que reduzir as emissões de carbono geradas por combustíveis fósseis e encontrar maneiras de compensar as emissões restantes.

Polônia deixada de fora

A Polônia, que obtém 80% de sua energia do carvão, resistiu ao plano durante horas de intenso debate e acabou por ficar de fora do compromisso.

O primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, anunciou que havia garantido uma isenção da neutralidade climática para 2050, mas disse que o bloco ofereceu um financiamento generoso para regiões que seriam “mais afetadas” pela retirada de combustíveis fósseis.

A chanceler alemã Angela Merkel disse a repórteres que Varsóvia agora teria até uma cúpula em junho de 2020 para decidir se pode se comprometer com a implementação da meta.

“Não existe uma divisão da Europa em partes diferentes, mas há um estado membro que ainda precisa de um pouco mais de tempo”, acrescentou.

O gabinete do presidente francês disse que os líderes da UE trabalhariam para obter a Polônia e que o novo “Acordo Verde da Europa” seria lançado nesse meio tempo.

A República Tcheca também levantou objeções à meta de neutralidade de carbono para 2050 e só concordou com o acordo depois que foram feitas garantias para que os Estados membros usassem energia nuclear para reduzir as emissões.

Os cientistas alertam que é necessária uma mudança drástica dos combustíveis fósseis para impedir que as temperaturas globais subam mais de 1,5 a 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

De acordo com um relatório da UE de 2018, as emissões do bloco caíram significativamente nas últimas duas décadas, mas ainda representam 9,6% da emissão global de carbono a cada ano.

Com informações da Euronews e da União Européia