Submarino nuclear russo: Noruega encontra grande vazamento de radiação

 

A Noruega encontrou um nível de radiação 800.000 vezes maior que o normal no naufrágio de um submarino da marinha russa.

Os Komsomolets afundaram no mar da Noruega em 1989, depois que um incêndio a bordo matou 42 marinheiros.

Uma amostra mostrou césio radioativo vazando de um tubo de ventilação, mas os pesquisadores disseram que “não era alarmante”, já que a água do Ártico rapidamente a diluiu.

O submarino da era soviética também está no fundo, a 1.680m, e há poucos peixes na área, acrescentaram.

Pela primeira vez, um veículo operado remotamente (ROV) norueguês examinou e filmou os Komsomolets em 7 de julho, revelando sérios danos.

O submarino também é conhecido como K-278 na Rússia, e afundou carregando dois torpedos nucleares com ogivas de plutônio.

Sua seção frontal tem seis tubos de torpedo, e o submarino também pode lançar mísseis de cruzeiro Granit.

A notícia vem pouco mais de uma semana depois que o fogo varreu um submarino russo movido a energia nuclear no Mar de Barents, matando 14 oficiais navais.

Desligamento do reator

A Autoridade de Radiação e Segurança Nuclear (DSA) da Noruega diz que o reator de água pressurizada que ligou a K-278 em abril de 1989 foi desativado rapidamente quando o incêndio ocorreu em outro compartimento.

Vinte e sete marinheiros sobreviveram – eles acabaram sendo apanhados por dois navios soviéticos.

O vazamento de radiação encontrado esta semana veio de um cano próximo ao reator. Era 800Bq (becquerels) por litro, enquanto o nível normal no Mar da Noruega é de cerca de 0,001Bq.

No entanto, algumas outras amostras de água do naufrágio não apresentaram níveis elevados.

Os 42 marinheiros que morreram no desastre sucumbiram aos gases tóxicos ou congelaram nas geladas águas do Ártico depois que o K-278 emergiu brevemente.

O comandante conseguiu enviar uma chamada de socorro cerca de uma hora após o incêndio, mas ele e outros quatro morreram quando a cápsula de emergência afundou. O submarino foi condenado quando o fogo se espalhou, alimentado pelo ar de alta pressão de um cano danificado, informou a agência russa de notícias RIA.

O ROV é mostrado aqui coletando amostras de dentro do casco de titânio

A Rússia já examinou o naufrágio com um submersível tripulado, e encontrou vazamento de radiação da mesma seção.

Os especialistas noruegueses em radiação e pesquisadores marinhos foram acompanhados por especialistas da Associação de Pesquisa e Produção do Typhoon da Rússia.

“Pegamos amostras de água de dentro desse duto em particular porque os russos documentaram vazamentos aqui tanto nos anos 90 quanto mais recentemente em 2007”, disse Hilde Elise Heldal, a líder da expedição.

“Então não ficamos surpresos em encontrar altos níveis aqui.

“Os níveis que detectamos estavam claramente acima do normal nos oceanos, mas não eram alarmantes”, disse ela.

A Noruega e a Rússia têm monitorado a radiação na área regularmente desde o desastre, às vezes em expedições conjuntas.

O Komsomolets foi lançado em 1983, tinha 117m de comprimento e podia mergulhar a uma profundidade máxima de 1.250m. Sua velocidade máxima era de 30 nós (56 km / h).

Leia mais: BBC – Russian nuclear submarine: Norway finds big radiation leak