“Pele Eletrônica” Artificial pode avisar humanos de perigo iminente

É o “Spidey-Sense” do Homem-Aranha que ganha vida.

É o “Spidey-Sense” do Homem-Aranha que ganha vida.

O desenvolvimento de sensores, todos vestíveis ( do inglês wearable) que podem monitorar simultaneamente várias condições de risco em tempo real, impõe a necessidade emergente de uma plataforma de detecção de risco inteligente e elástica que seja esticável e semelhante à pele.

Pele Eletrônica

Pesquisadores da Universidade de Connecticut e da Universidade de Toronto desenvolveram uma pele artificial que poderia dar ao seu usuário – capacidades robóticas ou humanas – sobre-humanas. A pele elástica é equipada com sensores multifuncionais que podem detectar um forte campo magnético ou mudanças na pressão.

Advanced Materials com a pesquisa

A pesquisa foi publicada na revista Advanced Materials no início desta semana.

“É um novo grupo de eletrônicos inteligentes portáteis que são flexíveis, elásticos, maleáveis ​​e possuem capacidades únicas de detecção que imitam a pele humana”, disse o pós-doutorado da UConn Islam Mosa à Digital Trends.

Integração com alarmes

Mas também poderia ir além de meramente imitar a pele humana. “Seria muito legal se tivesse habilidades que a pele humana não tem; por exemplo, a capacidade de detectar campos magnéticos, ondas sonoras e comportamentos anormais ”, disse Mosa ao Science Daily


Plataforma wearable preventiva de risco. Diferentes formas de força mecânica que podem ser tipicamente obtidas pelo corpo humano ou induzidas externamente por campo magnético ou acústico. Ao detectar diferentes fontes perigosas, o design introduzido pode ser usado como um sensor biomecânico, acústico e magnético wearable multimodal para aplicações de prevenção de riscos. Na paisagem de sensores wearable personalizados integrados em pulseiras “inteligentes” irá gerar grandes fluxos de dados, possivelmente de segurança humana. Análises de sensores reunidos podem ser construídas com métodos de big data para descobrir conexões acionáveis em direção à Internet de prevenção.

A pele artificial pode ter vários usos: por exemplo, pode ajudar durante o descarte de materiais perigosos, buscas robóticas e missões de resgate ou até mesmo ajudar no monitoramento remoto dos serviços de saúde. Poderia mesmo devolver aos amputados e às vítimas de queimaduras um certo grau de sentimento.

O wearable usa um “nanogerador triboelétrico multimodal baseado em ferrofluido” (FO-TENG) que é essencialmente um nanotubo de silicone elástico preenchido com ferrofluido – um tipo de fluido de nanopartículas de óxido de ferro que pode reagir a campos magnéticos. O tubo é envolvido com fio de cobre para permitir que sinais elétricos sejam enviados através dele.

A pele tem “excelente capacidade impermeável, conformabilidade e elasticidade” de acordo com o papel e pode manter sua forma por anos.

Mas não é exatamente plana como a pele ainda. A equipe de pesquisadores ainda precisa encontrar uma maneira de reduzir o perfil de seu protótipo tubular para que ele possa agir mais como uma pele.

Até a aprovação da Food and Drug Administration dos EUA, os pesquisadores esperam levar sua pele futurista ao mercado em questão de anos.