Islândia: o desafio de ficar entre os melhores do mundo na educação

 

A educação hoje é – ou deveria ser – uma das principais preocupações dos governos modernos.

A educação hoje é – ou deveria ser – uma das principais preocupações dos governos modernos. A educação certamente é a responsável em aumentar as habilidades da futura sociedade de um país e quem influencia os padrões morais.

Diante disso, o sistema de educação na Islândia se assemelha à maioria dos países escandinavos. Inclusive tem um altíssimo rendimento no índice global da educação, apesar de ficar atrás de seus vizinhos nórdicos.

Mas para ter a certeza de que a educação é algo prioritário no país, um estudo de 2016 colocou a Islândia classificada como a terceira nação mais alfabetizada do mundo, com 99% de alfabetizados, atrás da Finlândia e da Noruega. O pequeno país insular abriga uma população de cerca de 332.000 pessoas.

A Islândia é bem conhecida por ser progressista. Seus esforços de igualdade estão evidentes na estrutura de seu sistema educacional. Segundo o site do país, “Um princípio fundamental do sistema educacional islandês é que todos devem ter oportunidades iguais para adquirir uma educação, independentemente do sexo, status econômico, localização residencial, religião, possível deficiência e antecedentes culturais ou sociais”.

Soma-se a isso, a Islândia aparece como 1o lugar no índice de Paz Global  e 3o colocada no Índice de Democracia, ambos da mesma Economist Intelligence Unit.

Por nove anos consecutivos, o Fórum Econômico Mundial classificou a Islândia como tendo a menor gap (diferença) de igualdade de gênero do mundo.  E isso se relaciona diretamente  com as políticas educacionais universais do ensino infantil até as oportunidades nas cadeiras universitárias para todos, independente do gênero. No fim, isso acaba, naturalmente, por refletir em menores diferenças dos salários entre homens e mulheres quando dispostos no mercado de trabalho: a formação é a mesma.

História

Mas para entender o sistema de educação na Islândia atual devemos começar explicando sua história.

Desde 1907 é obrigatório que crianças de 10 a 14 anos freqüentem a escola. Embora a educação já fosse um realidade no país no século XVIII, crianças menores de 10 anos eram ensinadas dentro casa. Até que  em 1946 o período de frequência escolar obrigatória foi estendido para as crianças de 6 a 15 anos de idade.

Os sistemas educacionais nórdicos são um dos melhores entre os países europeus e entre outras nações ao redor do mundo. Uma de suas principais características é que a educação é gratuita. A grande maioria das escolas, escolas secundárias e universidades são financiadas pelo Estado. Até no caso das instituições privadas, essas recebem verbas do governo por aluno matriculado.

A Islândia não tem uma tradição de escolas privadas, embora existam instituições privadas e operadas em todos os níveis de ensino. Em geral, as escolas privadas não têm um prestígio maior do que as instituições públicas e, em comparação com outros países desenvolvidos, a Islândia tem um nível muito baixo de alunos frequentando escolas particulares. Todos os níveis de educação são subsidiados pelo Estado, incluindo até as creches. A creche e as escolas obrigatórias são administradas ou supervisionadas pelas autoridades locais, enquanto as menntaskóli e as universidades são gerenciadas ou supervisionadas pelo Estado.

A tecnologia também tem um papel especial em todo o sistema educacional, mas principalmente durante os primeiros anos. O governo também considera fundamental promover a criatividade. E este é o grande ponto. A diversidade de ideias, debates filosóficos sobre problemas, casos e pontos da história do país e do mundo.

A educação na Islândia é um sistema de quatro níveis e de alguma forma se assemelha ao brasileiro.

Educação pré-escolar primária (leikskóli)

A pré-escola é o primeiro nível de educação, que as crianças frequentam entre 1 e 6 anos de idade. Há taxas para a pré-escola, mas elas são amplamente subsidiadas.

Educação obrigatória (grunnskóli)

O ensino obrigatório que é gratuito e obrigatório para crianças entre 6 e 16 anos. Diferente dos Estados Unidos, a educação escolar em casa não é uma opção. Nesse ponto se assemelha ao Brasil, que recentemente teve em ação no STF uma decisão que o ensino em casa não é  permitido pela interpretação da Constituição.

Os assuntos pelas quais os alunos do ensino compulsório passam são distribuídos conforme a imagem ao lado: 19% é do estudo do idioma Islandês. 17% do tempo, dedicado a matemática. 11% às aulas de artes e artesanatos. 11% de idiomas modernos. 10% Sociologia e estudos de religião. 10% de educação física. 9% de Ciências naturais, 6% ICT (Tecnologias de Comunicação e Informação), 4% de economia doméstica e 2% do tempo de Life Skills (habilidades pra vida), que se baseia em muito na filosofia. A educação em habilidades para a vida é uma forma de educação que se concentra no cultivo de habilidades de vida pessoal, como auto-reflexão, pensamento crítico, resolução de problemas e habilidades interpessoais.

Ensino secundário superior (framhaldsskóli)

O ensino secundário superior é o terceiro nível. Tembem são conhecidas como Escolas Ginasiais ( gymnasia  em inglês). Está disponível para qualquer pessoa que tenha concluído o ensino obrigatório, e é, na sua maioria, frequentado por estudantes entre os 16 e os 20 anos de idade. O nível secundário superior é essencialmente como o equivalente ao ensino médio no Brasil mas, em regra, é gratuito, com exceção de algumas que são particulares, mas minoria.Na lista mais recente de escolas deste nível na Islância, há um total de 34 escolas do ensino secundário superior (não obrigatório), sendo que destas, apenas 5 são privadas, e as outras 29 são públicas.

A lei islandesa exige que haja programas acadêmicos, vocacionais, artísticos e gerais de estudo, todos eles levando ao ensino superior. Qualquer framhaldsskóli pode, portanto, oferecer um certificado de conclusão, um exame de matrícula, chamado Stúdentspróf, desde que cumpra os regulamentos do Ministério da Educação.

Professores do ensino médio são obrigados a ter completado quatro anos na universidade, dos quais pelo menos dois anos devem ter sido dedicados a um assunto importante, e pelo menos um a metodologia de ensino e habilidades. Professores vocacionais devem ser qualificados em sua disciplina particular, ou devem ser um mestre artesão em seu ofício, e ter pelo menos dois anos de experiência. Cursos de treinamento em serviço também são oferecidos. Os professores são pagos pelo estado, mas contratados pela escola de forma  individual.

Ensino superior (háskólar)

O quarto nível é a educação em uma universidade, também conhecida como ensino superior. Para se candidatar à universidade, o aluno deve primeiro ter concluído o ensino médio. Na maior parte, as universidades na Islândia são obrigadas a aceitar todos os alunos com um grau secundário superior. As universidades públicas na Islândia são gratuitas; os únicos custos associados ao ensino superior são as taxas de inscrição.

Existem oito instituições para háskóli no país. A Universidade da Islândia foi inaugurada em 1911. Ainda é a principal instituição de ensino superior no país. Embora novas universidades tenham aberto desde então. A lei atual sobre o ensino superior é a mais antiga, data de 1997.
Com uma taxa de alfabetização de 99% e uma taxa de desemprego de cerca de 2,7%, talvez o resto do mundo possa aprender com o sistema educacional da Islândia.

No sistema de educação na Islândia, o governo oferece apoio financeiro a alguns estudantes. Eles devem começar a devolver esse dinheiro em dois anos depois de concluírem o curso. Os estudantes estrangeiros também podem solicitar esses empréstimos e também existem bolsas de estudo para estrangeiros para estudar o idioma e a literatura islandesa.Na Islândia é comum que estudantes universitários já vivam emancipados e combinem a universidade com empregos de meio período.

Da responsabilidades

O Ministério da Educação, Ciência e Cultura é responsável pela implementação da legislação relativa a todos os níveis escolares, desde o ensino pré-primário e obrigatório até ao ensino secundário e superior, bem como educação continuada e de adultos. Isso inclui as tarefas de criação de guias curriculares para as escolas pré-primárias, obrigatórias e do ensino médio, emissão de regulamentos e planejamento de reformas educacionais. O Ministro da Educação, Ciência e Cultura concede acreditação a Instituições de Ensino Superior que preencham os critérios estabelecidos na legislação nacional, bem como critérios internacionalmente aceitos. O Conselho de Qualidade para o ensino superior da Islândia publicou um manual sobre o Quadro de Melhoria da Qualidade (Quality Enhancement Framework – QEF2) que inclui elementos sobre revisões a nível institucional e temático, bem como acreditação contínua e adicional de IES.

Enquanto o ensino pré-primário e obrigatório é da responsabilidade dos municípios, o governo central é responsável pelo funcionamento das escolas secundárias e instituições de ensino superior. Embora a educação na Islândia tenha sido tradicionalmente fornecida pelo setor público, um certo número de instituições privadas está em operação hoje, principalmente nos níveis pré-primário, secundário superior e superior.

Avaliação externa

Escolas ou aspectos específicos das atividades escolares em todos os níveis de ensino podem estar sujeitos a uma avaliação externa organizada pelo Ministério da Educação, Ciência e Cultura. A avaliação externa é realizada por avaliadores da Directorte de Educação para escolas pré-primárias e escolas obrigatórias e, a partir de 2014, para escolas secundárias superiores.

Livro Branco sobre Reforma Educacional de 2015

O principal objetivo deste Livro Branco é criar uma base para discussão e ação sobre a reforma do ensino na Islândia. A intenção é chamar a atenção de todos aqueles que têm interesse na educação para contribuir para o trabalho futuro nesse campo. A esse respeito, a perspectiva de longo prazo é importante, dada a complexidade dos sistemas educacionais e o fato de que os resultados da reforma costumam demorar a se tornar evidentes, embora os benefícios de curto prazo possam certamente se materializar em um número limitado de campos.

Dentro das escolas

Mas como funcionam basicamente os estímulos educacionais para criatividade e inovação na terra do gelo?

Procurando necessidades

Os alunos exploram seu ambiente além da escola e identificam necessidades ou problemas com os quais trabalhar. Eles usam um caderno para anotar essas necessidades / problemas. Eles são encorajados a falar com as pessoas, ler jornais, assistir televisão, olhar dentro da escola, ir às lojas ou usar a internet em busca de necessidades / problemas. Na maioria dos casos, os alunos realmente trazem os conceitos iniciais de volta em seus cadernos. este oferece a oportunidade para o pessoal discutir formas de explorar plenamente a necessidade / problema em vez de desenvolver conceitos sem esse entendimento.

Brainstorming

O professor reúne as necessidades identificadas no quadro negro e os alunos debatem as possíveis soluções
juntos. Desta forma, técnicas cooperativas de brainstorming são usadas para expandir a compreensão (Buzan, 1985).

Encontrando o conceito inicial

O aluno escolhe o conceito com o qual quer trabalhar com base na discussão com o professor

Esboçar, modelar e desenvolver a solução técnica

Desenhar, modelar e discutir são boas maneiras de entender e desenvolver o conceito em direção a uma
solução. Estes envolvem auto comunicação e aconselhamento do professor.

Criando o modelo / protótipo

No IE, o “protótipo” final será normalmente feito usando materiais e equipamentos encontrados em um ambiente normal sala de aula e não ser tão completamente desenvolvido como no Reino Unido D & T. Os modelos são feitos de maneira simples e rápida para idéia sobre a solução e, às vezes, um protótipo totalmente funcional pode ser feito.

Fazer um cartaz

No IE os alunos são obrigados a fazer um pôster de seu trabalho, tanto para exibição e como base para uma apresentação.

Criar um pôster é uma boa maneira de reunir o aprendizado de uma pessoa. Normalmente o cartaz inclui ilustrações, desenhos e alguns desenhos 3D. Isso demonstra como a solução funciona, quem vai
usá-lo e onde, como e onde será usado, e os materiais que podem ser feitos.

Apresentação

Desenvolver uma apresentação é uma boa maneira de aprofundar o entendimento do aluno sobre seu conceito e relação com o meio ambiente e com a necessidade / problema original identificado. Este processo também se desenvolve habilidades de comunicação. Discussão em torno da apresentação oferece feedback valioso para os alunos.

PISA 2015

O PISA é um estudo internacional de longo prazo sobre a capacidade e habilidade de estudantes de 15 anos em leitura, ciências naturais e matemática. No total, mais de 70 nações participam do estudo, incluindo 34 países membros da OCDE. No site da pesquisa do PISA, os resultados podem ser comparados com outros países da Islândia.

A Islândia teve um desempenho abaixo da média nos três níveis principais do Relatório de 2015 da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) do PISA (Programa de Avaliação Internacional de Alunos), publicado à época. Desde 2000, o programa avaliou as habilidades acadêmicas de estudantes de 15 anos de idade em leitura de matemática e ciências. A avaliação é feita a cada três anos e agora inclui 72 países.

O desempenho dos alunos da primeira série da Islândia em ciências naturais, matemática e leitura piorou desde 2006, de acordo com a RÚV. As meninas e os meninos têm um desempenho semelhante, e o nível social (renda) influencia menos o desempenho do que em outros países da OCDE. A diferença no desempenho dos nascidos no país e daqueles que são imigrantes é semelhante à de outros países da OCDE.

A Islândia é a mais baixa entre os países nórdicos em compreensão de leitura, e o desempenho dos alunos da décima série é agora semelhante ao que costumava ser na 9a série há 15 anos. Poucos estados membros se deterioraram tanto em seu desempenho durante esse período.

A situação na compreensão matemática é semelhante. A competência dos alunos da décima série é semelhante à que estava entre os alunos do nono ano há 13 anos. A compreensão matemática é pior no país do que na maioria dos países da OCDE e menor do que em qualquer outro país nórdico.

A compreensão da ciência é menor do que em 2006 e menor que em outros países nórdicos.

Arnór Guðmundsson, chefe da Diretoria de Educação, demonstra preocupação com o fato de que o desempenho dos estudantes islandeses ter piorado muito em todos os assuntos desde que esses relatórios foram publicados pela primeira vez. “Esta é uma grande mudança para o pior dos estudantes islandeses, e nunca foi pior nos três níveis do PISA”, afirmou.

De acordo com o ministro, iniciativas para melhorar a alfabetização já foram lançadas, e é importante que medidas similares sejam tomadas para matemática e ciências o quanto antes.

“Mas o PISA não é a escala final para o trabalho escolar”, explica Guðmundsson. “Há uma grande quantidade de outras coisas importantes acontecendo em nossas escolas que não são medidas neste estudo. O PISA não mede criatividade, iniciativa, inteligência social ou muitas outras habilidades importantes de desenvolvimento infantil. ”

“Mas nós temos que fazer muito melhor. Devemos isso aos nossos filhos.”

Com informações do Ministério da Educação, Ciência e Cultura da Islândia, do site Iceland.Is, da Rúv

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.