Maior fundo soberano do mundo implora para que salvem os oceanos

O fundo soberano da Noruega, o maior do mundo, está desafiando as empresas a fazerem mais para proteger os oceanos do mundo, incluindo o combate à poluição por resíduos plásticos.

O oceano cobre a maior parte da superfície do planeta e é uma parte vital da biosfera, produzindo mais da metade do oxigênio do mundo e regulando as temperaturas globais. É uma parte importante da economia global, fornecendo recursos naturais e espaços abertos para transporte e outras atividades econômicas.

Diante da previsões de aumento populacional do mundo, a importância do oceano tende a crescer, já que tem potencial para fornecer proteína para alimentar a essa população crescente e acomodar a produção de energia renovável offshore.

O fundo soberano da Noruega, o maior do mundo, está desafiando as empresas a fazerem mais para proteger os oceanos do mundo, incluindo o combate à poluição por resíduos plásticos.

“O oceano é uma parte vital da biosfera e uma parte importante da economia global”, disse Yngve Slyngstad, o chefe do fundo avaliado em 8,66 trilhões de coroas norueguesas (€ 890 bilhões, US $ 1,03 trilhão).

“Esperamos que as empresas gerenciem os desafios e as oportunidades relacionadas ao uso sustentável dos oceanos”,  disse Slyngstad.

Um peso-pesado no cenário financeiro global, o Fundo Global de Previdência do Governo publicou um documento delineando o que espera das 9.000 empresas em que detém participações.

Entre outras coisas, instou-os a integrar idéias ambientais em suas estratégias de negócios, sugerindo, por exemplo, que os produtores de plásticos planejem uma transição para uma “economia circular” frugal em matérias-primas e que as empresas pesqueiras incorporem previsões sobre estoques futuros em seu planejamento.

As recomendações aplicam-se a empresas que operam no transporte marítimo, pesca, piscicultura, bem como outras em terra cujas atividades podem afetar os oceanos, como indústrias de distribuição e plásticos e agricultura, disse o fundo.

O fundo já expôs suas expectativas em relação a outras questões, incluindo melhores esforços na gestão de recursos hídricos, anticorrupção, direitos humanos e transparência tributária, julgando que as más práticas nessas áreas podem prejudicar a lucratividade das empresas.

Na última quarta-feira, o fundo também publicou um documento revisando seu apoio aos objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas.

“Nossa contribuição mais importante é fortalecer a governança, melhorar o desempenho e promover práticas comerciais sustentáveis”, disse Slyngstad.

Além de suas expectativas baseadas puramente em considerações financeiras, o fundo também segue diretrizes éticas que o impedem de investir, entre outras coisas, em empresas que cometem sérias violações de direitos humanos, fabricam armas nucleares ou “particularmente desumanas” ou aquelas no carvão. e indústrias do tabaco.

O Norges Bank deixou este documento , OCEAN SUSTAINABILITY: EXPECTATIONS TOWARDS COMPANIES para leitura com todas as diretrizes e metas a respeito.

Com informações do Norges Bank e das agências Reuters, Undercurrent News, CNBC,  e The Local Norway