A cidade maia de Tikal estava rodeada de uma complexa rede de vias até então invisíveis| Foto: Wild Blue Media/Channel 4/National Geographic

A cidade maia de Tikal estava rodeada de uma complexa rede de vias até então invisíveis| Foto: Wild Blue Media/Channel 4/National Geographic

Nova tecnologia a laser revoluciona história Maia com descoberta de Megalópole

 

A civilização maia foi muito maior do que qualquer um tenha imaginado – fazendo companhia à Grécia antiga ou a China, de acordo com um importante avanço arqueológico.

Os pesquisadores descobriram digitalmente mais de 60.000 ruínas artificiais – incluindo palácios, cidades e estradas elevadas – escondidas há séculos nas selvas do norte da Guatemala, relatórios da National Geographic.

Acredita-se que a civilização maia seja povoada por 5 milhões de pessoas, mas o avanço mostra que pode ter sido até três vezes maior, de acordo com os arqueólogos por trás do relatório.

“Com esses novos dados, não é mais razoável pensar que havia 10 a 15 milhões de pessoas lá”, disse Francisco Estrada-Belli, um arqueólogo da Universidade Tulane.

Usando a tecnologia laser “revolucionária” conhecida como Lidar (detecção e ampliação da luz), os pesquisadores removeram digitalmente um dossel de árvores espalhadas por imagens aéreas de 810 milhas de paisagem da selva.

Ele revelou uma civilização pré-colombiana – completa com casas e fazendas interconectadas – que era muito mais complexa do que a maioria dos especialistas maias acreditaram anteriormente, de acordo com o relatório.

“Muitos [estavam] vivendo em áreas baixas e pantanosas que muitos de nós achavam inabitáveis”, disse Estrada-Belli, creditando a nova tecnologia. “Lidar está revolucionando a arqueologia da maneira como o Telescópio espacial Hubble revolucionou a astronomia”.

Para encontrar as ruínas escondidas, os estudiosos irradiaram pulsos de laser em direção à selva com planos e mediram os comprimentos de onda ao retornarem. Eles então criaram uma imagem tridimensional do que está realmente na superfície das árvores.

A cidade maia de Tikal estava rodeada de uma complexa rede de vias até então invisíveis| Foto: Wild Blue Media/Channel 4/National Geographic

Os arqueólogos haviam rastreado tediosamente e escavando a mesma paisagem há anos. Mas a tecnologia laser revelou uma parede de fortificação de 30 pés de comprimento que os pesquisadores nunca antes perceberam, juntamente com as casas e as ruas recentemente descobertas.

“Talvez, eventualmente, tivéssemos chegado a esta colina onde esta fortaleza é, mas eu estava a cerca de 150 pés de distância em 2010 e não vi nada”, disse o especialista em maia, Tom Garrison, à Live Science.

A civilização maia é conhecida por seu sistema avançado de escrita, calendário e sistema astronômico.

Com informações da National Geographic.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.