Creditos: OLIVIER MORIN/AFP/Getty Images

Qual a nação mais alfabetizada do mundo?

 

Um novo ranking mundial de países e suas taxas de alfabetização colocam o Brasil em 47o.

Um novo ranking mundial de países e suas taxas de alfabetização colocam o Brasil em 47o.

Um novo ranking mundial de países e suas taxas de alfabetização colocam os Estados Unidos na sétima posição. Quem é o número um? Finlândia.

O estudo, conduzido por John W. Miller, presidente da Universidade Estadual Central de Connecticut, em New Britain, Connecticut, analisa as tendências do comportamento letrado e da alfabetização em mais de 60 países. Descobriu-se que os países nórdicos estão entre os mais alfabetizados do mundo, mas os países do hemisfério ocidental não se saíram bem.

Aqui está a lista:

Miller concentrou seu trabalho acadêmico por quatro décadas em alfabetização, produzindo a pesquisa “Cidades mais letradas da América” de 2003 a 2014 em colaboração com o Centro de Políticas Públicas e Pesquisa Social da Central Connecticut.

Em um comunicado, ele disse: “Os fatores que examinamos apresentam um retrato complexo e nuançado da vitalidade cultural de uma nação, e o que a classificação sugere e a alfabetização mundial demonstra é que esses tipos de comportamentos letrados são críticos para o sucesso de indivíduos e nações. na economia baseada no conhecimento que define nosso futuro global ”.

Os rankings analisam as variáveis ​​relacionadas ao desempenho de alfabetização testado – pontuações no estudo PIRLS ou Progress in International Reading Literacy, e no PISA, Programa para Avaliação Internacional de Alunos – bem como às características do comportamento letrado. Essas incluem 15 variáveis ​​agrupadas em cinco categorias:

  • Bibliotecas,
  • Jornais,
  • Insumos do Sistema Educacional,
  • Saídas do Sistema Educacional e
  • Disponibilidade de Computadores,
  • População (que é usada para estabelecer proporções per capita.)

“Os países do Pacífico, Cingapura, Coréia do Sul, Japão e China, estariam no topo da lista se o desempenho do teste fosse a única medida.”
Dado que as pontuações nos testes dos estudantes internacionais são medidas questionáveis ​​de como um país realmente faz em detrimento de outro por uma variedade de razões, é justo imaginar como eles distorcem os resultados desses rankings. Miller aborda a questão de alguma forma na declaração, dizendo que os resultados seriam “muito diferentes” se o PIRLS e o PISA fossem os únicos fatores. Ele disse:

“Os países do Pacífico, Cingapura, Coréia do Sul, Japão e China, estariam no topo da lista se o desempenho do teste fosse a única medida. A Finlândia seria o único país que não é do Pacífico a ter uma classificação alta. Quando fatores como o tamanho da biblioteca e a acessibilidade são adicionados, as nações do Pacífico diminuem dramaticamente ”.

Se, é claro, ele só tivesse olhado para as pontuações dos testes dos alunos, não teria sido muito do ranking de alfabetização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.