Primeira missão de astronautas civis para a ISS é realizada por foguete da SpaceX

Tripulação de quatro a caminho da estação espacial em missão saudada pela Nasa como colocando ‘negócios comerciais no espaço’

Um foguete da SpaceX decolou levando a primeira equipe de astronautas totalmente privada já lançada para a Estação Espacial Internacional (ISS), um voo saudado por executivos da indústria e pela Nasa como um marco na comercialização de voos espaciais.

A equipe de quatro pessoas selecionadas pela startup Axiom Space Inc, com sede em Houston, para seu primeiro voo espacial e missão científica orbital decolou na manhã de sexta-feira de Cabo Canaveral, na Flórida.

A transmissão de vídeo ao vivo da Axiom mostrou o veículo de lançamento da SpaceX de 25 andares – consistindo de um foguete Falcon 9 de dois estágios encimado por sua cápsula Crew Dragon – cruzando os céus azuis sobre a costa atlântica da Flórida.

Câmeras dentro do compartimento da tripulação transmitiram imagens dos quatro homens amarrados na cabine pressurizada, sentados calmamente em seus trajes de voo brancos e pretos com capacete enquanto o foguete voava em direção ao espaço.

Nove minutos após o lançamento, o estágio superior do foguete colocou a cápsula da tripulação em sua órbita preliminar, de acordo com os comentaristas do lançamento. Enquanto isso, o estágio inferior reutilizável do foguete, tendo se separado do resto da espaçonave, voou de volta à Terra e pousou com segurança em uma plataforma de pouso flutuando em um navio drone no Atlântico.

A comentarista do webcast de lançamento, Kate Tice, descreveu a decolagem como “absolutamente perfeita”. Um membro da tripulação podia ser ouvido dizendo ao controle da missão em uma transmissão de rádio: “Foi um passeio e tanto”.

Se tudo correr como planejado, o quarteto liderado pelo astronauta aposentado da Nasa Michael Lopez-Alegria chegará à estação espacial no sábado, após um voo de mais de 20 horas, e o Crew Dragon, operado de forma autônoma, atracará na ISS.

A SpaceX estava no controle da missão para o voo a partir da sua sede, perto de Los Angeles.

A Nasa, além de fornecer o local de lançamento, assumirá a responsabilidade pelos astronautas assim que se encontrarem com a estação espacial para realizar oito dias de pesquisa científica e biomédica.

A missão, que representa uma parceria entre Axiom, SpaceX e Nasa, foi apontada por todos os três como um passo importante na expansão de empreendimentos espaciais comerciais referidos coletivamente por especialistas como economia de órbita baixa da Terra, ou economia LEO.

“Estamos tirando negócios comerciais da face da Terra e colocando-os no espaço”, disse o chefe da Nasa, Bill Nelson, antes do voo. A mudança permitiu que sua agência se concentrasse mais em enviar humanos de volta à Lua, a Marte e a outras explorações do espaço profundo, disse ele.

O lançamento de sexta-feira também é o sexto voo espacial humano da SpaceX em quase dois anos, após quatro missões de astronautas da Nasa à estação espacial e o lançamento “Inspiration 4” em setembro, que enviou uma tripulação totalmente civil à órbita pela primeira vez. Esse voo não atracou na ISS.

Embora a estação espacial tenha recebido visitantes civis de tempos em tempos, a missão Ax-1 marcará a primeira equipe comercial de astronautas a usar a ISS para o propósito pretendido como um laboratório de pesquisa em órbita.

A equipe da Axiom compartilhará o ambiente de trabalho sem peso com sete tripulantes regulares da ISS pagos pelo governo: três astronautas americanos, um alemão e três cosmonautas russos.

Lopez-Alegria, 63, comandante da missão Axiom, nascido na Espanha, também é vice-presidente de desenvolvimento de negócios da empresa. Seu segundo em comando é Larry Connor, um empresário imobiliário e de tecnologia e aviador de acrobacias de Ohio designado como piloto da missão. Connor está na casa dos 70 anos; a empresa não forneceu sua idade precisa.

Completando a equipe do Ax-1 estão o investidor-filantropo e ex-piloto de caça israelense Eytan Stibbe, 64, e o empresário e filantropo canadense Mark Pathy, 52, ambos servindo como especialistas em missões. O voo faz de Stibbe o segundo israelense no espaço, depois de Ilan Ramon, que morreu com seis tripulantes da Nasa no desastre do ônibus espacial Columbia em 2003.

Os membros da tripulação do Axiom podem parecer ter muito em comum com muitos dos passageiros ricos que fizeram passeios suborbitais nos últimos meses a bordo dos serviços Blue Origin e Virgin Galactic oferecidos pelos bilionários Jeff Bezos e Richard Branson, respectivamente.

Mas a Axiom disse que sua missão foi muito além do turismo espacial, com cada membro da tripulação passando por centenas de horas de treinamento de astronauta com a Nasa e a SpaceX.

A equipe do Ax-1 também realizará cerca de duas dúzias de experimentos científicos, incluindo pesquisas sobre saúde cerebral, células-tronco cardíacas, câncer e envelhecimento, bem como uma demonstração de tecnologia para produzir óptica usando a tensão superficial de fluidos em microgravidade, disseram executivos da empresa.

Lançada em órbita em 1998, a estação espacial tem sido continuamente ocupada desde 2000 sob uma parceria liderada pelos EUA e pela Rússia, incluindo Canadá, Japão e 11 países europeus.

A Nasa não tem planos de investir em uma nova estação espacial quando a ISS for aposentada, por volta de 2030. Mas a Nasa selecionou a Axiom em 2020 para construir uma nova ala comercial para o laboratório em órbita, que atualmente tem o comprimento de um campo de futebol.

Os planos prevêem a eventual desconexão dos módulos Axiom do resto da estação quando ela estiver pronta para ser desativada. Espera-se que outros operadores privados coloquem suas próprias estações em órbita quando a ISS estiver fora de serviço.

Enquanto isso, a Axiom disse que contratou a SpaceX para voar mais três missões privadas de astronautas para a estação espacial nos próximos dois anos.

A decolagem pode ser revista aqui (lançamento a partir de 3h26m do vídeo):