COVID-19: OMS suspende testes com cloroquina e hidroxicloroquina

A decisão se refere aos ensaios Solidariedade, iniciativa internacional com 100 países coordenada pela OMS para buscar tratamentos contra a doença. No Brasil, os ensaios são coordenados pela Fiocruz.

A Organização Mundial da Saúde disse na segunda-feira que suspendeu temporariamente os ensaios clínicos de hidroxicloroquina como um possível tratamento para o COVID-19, sendo realizado em vários países como medida de precaução.

A decisão veio após a publicação na semana passada de um estudo no The Lancet, que indicava que o uso do medicamento em pacientes com COVID-19 poderia aumentar suas chances de morrer, disse o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma entrevista coletiva virtual.

Tedros disse que o grupo executivo do chamado Estudo de Solidariedade, no qual centenas de hospitais de vários países registraram pacientes para testar vários tratamentos possíveis para o novo coronavírus, teve como precaução os ensaios suspensos com esse medicamento.

“O Grupo Executivo implementou uma pausa temporária do braço da hidroxicloroquina no Estudo de Solidariedade, enquanto os dados de segurança são revisados ​​pelo Conselho de Monitoramento de Segurança de Dados”, disse Tedros.

“Os outros ramos do julgamento continuam”, enfatizou.

A hidroxicloroquina é normalmente usada para tratar a artrite, mas o pronunciamento de figuras públicas, incluindo o presidente dos EUA, Donald Trump – que anunciou na semana passada que está tomando o medicamento – levou os governos a comprarem o medicamento a granel.

O ministro da Saúde do Brasil também recomendou na semana passada o uso da hidroxicloroquina, bem como da cloroquina antimalárica, para tratar até casos leves de COVID-19.

O estudo da Lancet descobriu que os dois medicamentos podem produzir efeitos colaterais potencialmente graves, particularmente arritmia cardíaca.

E nenhum medicamento beneficiou pacientes hospitalizados com COVID-19, de acordo com um estudo da Lancet, que analisou os registros de 96.000 pacientes em centenas de hospitais.

Tedros enfatizou na segunda-feira que os dois medicamentos “são aceitos como geralmente seguros para uso em pacientes com doenças autoimunes ou malária”.

A cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, disse na segunda-feira que o Estudo de Solidariedade, apoiado pela OMS, estava analisando apenas os efeitos da hidroxicloroquina e não da cloroquina.

A decisão de suspender a inscrição para ensaios com hidroxicloroquina foi “uma medida temporária”, disse ela.

“Estamos apenas agindo por precaução”, concordou Michael Ryan, chefe de emergências da OMS.

‘Suposição perigosa’?

A pandemia do COVID-19, que começou no final do ano passado na China, matou quase 350.000 pessoas em todo o mundo e infectou quase 5,5 milhões, de acordo com um registro da AFP usando fontes oficiais.

Embora ainda não exista tratamento ou vacina aprovada para o novo coronavírus, medidas drásticas que, a certa altura, viram metade da humanidade sob bloqueio, reduziram as taxas de transmissão em vários países.

Como muitas nações começam a suspender gradualmente as restrições, a OMS enfatizou na segunda-feira a necessidade de acompanhar as medidas físicas de distanciamento e intensificar os esforços para testar e detectar casos.

“Todos os países precisam permanecer em alerta máximo”, disse a especialista da OMS Maria Van Kerkhove, enfatizando que “mesmo os países que tiveram um declínio nos casos devem permanecer prontos”.

Ela alertou que estudos usando testes de anticorpos para determinar quantas pessoas foram infectadas e podem ter algum nível de imunidade “indicam que uma grande proporção da população permanece suscetível”.

“O vírus terá a oportunidade de amplificar, se puder”, disse ela.

Ryan concordou, pedindo aos países que “continuem implementando … uma estratégia abrangente para garantir que continuemos em uma trajetória descendente e que não tenhamos um segundo pico imediato”.

Ele alertou contra a ideia de que a pandemia poderia se mover em ondas sazonais naturais, enfatizando que a razão pela qual a transmissão está diminuindo em vários países foram as medidas drásticas postas em prática.

“Minha preocupação agora é que as pessoas possam estar assumindo que as infecções rápidas atuais representam uma sazonalidade natural”, disse ele.

“Assumindo que está em trajetória descendente, e o próximo ponto de perigo será em outubro ou novembro, acho que seria uma suposição perigosa”.

“Se aliviarmos a pressão do vírus, ele poderá se recuperar”, disse ele.

Com informações:

The Lancenet: Hydroxychloroquine or chloroquine with or without a macrolide for treatment of COVID-19: a multinational registry analysis