Lições vindas da Suécia sobre negócios sustentáveis

 

Há uma tendência crescente entre as empresas em todo o mundo em apresentar a sua sustentabilidade. Além de informações sobre o desempenho econômico da empresa, passaram a incluir informações sobre como ela está lidando com preocupações sociais, éticas e ambientais. É uma tendência conduzida por clientes, fornecedores, funcionários e bancos em reconhecimento que estes são elementos muito importantes de qualquer negócio.

Mas, muitas vezes, o nível de informação fornecido pelas empresas é criticado por ser inadequado ou pouco detalhado. Mas minha pesquisa recente em empresas suecas mostra que a qualidade da informação parece estar aumentando. Também mostra quais áreas precisam de melhorias adicionais para tornar esta prática válida e confiável.

Durante anos, as empresas suecas foram consideradas entre as melhores em comunicação corporativa – em geral e em relatórios de sustentabilidade em particular. Sua excelência na divulgação de informações sobre seu desempenho na arena de sustentabilidade é confirmada tanto na pesquisa acadêmica quanto em relatórios abrangentes como a principal empresa de contabilidade KPMG sobre tendências de sustentabilidade global.

Até recentemente, se uma empresa reportou ou não a sua sustentabilidade, essa decisão foi voluntária na maioria dos países. Mas, a partir do exercício de 2017, uma nova diretiva da UE exige que toda a “entidade de interesse público” informe sobre o impacto social e ambiental do seu modelo de negócio.

Tendo recentemente estudado relatórios de sustentabilidade das 30 maiores empresas suecas listadas no período 2008-2015, há muito a aprender com elas. Ele inclui nomes familiares como o varejista H & M, a empresa de telecomunicações Ericsson e a fabricante de automóveis Volvo. Ele deixa claro que empresas grandes e lucrativas podem ser mais responsáveis ​​quando se trata de relatórios de sustentabilidade.

Nenhuma dessas empresas é perfeita. Minha pesquisa mostra que eles também estão aprendendo o tempo todo quando se trata de relatórios de sustentabilidade. Ao longo do período de sete anos que eu olhei, a informação passa de inicialmente bastante breve e geral para mais elaborada e detalhada nos últimos relatórios.

Esta é uma parte cada vez mais importante da demonstração da ética empresarial. Nesses relatórios de sustentabilidade, as empresas comunicam como assumem a responsabilidade pelo seu impacto na sociedade. Isso é feito divulgando seus esforços para integrar preocupações sociais, ambientais e éticas em suas práticas comerciais.

Mais importante ainda, minha pesquisa mostra que as maiores empresas da Suécia começaram a integrar a sustentabilidade em seus modelos de negócios. O modelo de negócios da Volvo é construído em três pilares: econômico, social e ambiental. Isso é verdade para as grandes empresas que você também não ouviu falar. Pegue Assa Abloy – é o maior fabricante fechaduras do mundo e tem uma base de mercado de US $ 22,6 bilhões. No seu modelo de negócio, a sustentabilidade é acentuada em todos os processos, desde inovação e desenvolvimento de produtos até logística e vendas.

Os relatórios mais recentes mostram que várias empresas também começaram a relacionar seus objetivos de sustentabilidade com a gestão de riscos. Eles vêem cada vez mais como as mudanças climáticas e os problemas ambientais irão impactar em sua linha de fundo. Por exemplo, Sandvik, SEB e Volvo são bons em relacionar seus objetivos de sustentabilidade com o gerenciamento de riscos. Eles destacam os riscos em toda a cadeia de valor e às vezes também discutem como eles estão sendo gerenciados.

Empresas Suecas

Espaço para melhorias

Há, claro, espaço para melhorias em todas as empresas. Em alguns, essa integração da sustentabilidade em seus modelos de negócios é mais provisória. É claro que este é um novo processo para eles e eles ainda estão trabalhando na integração eficiente da sustentabilidade no coração de seu modelo de negócios.

Em particular, descobri que havia muitos que ainda não perceberam o quão envolvente em várias atividades de sustentabilidade pode ajudar na sua linha de fundo. Em vez disso, a sustentabilidade é vista como um exercício de responsabilidade social corporativa. Mas relacionar a sustentabilidade com a linha de base, como pilar, é fundamental para qualquer empresa – não menos importante porque os acionistas costumam usar isso contra sua empresa tendo foco em objetivos de sustentabilidade.

Outra área de melhoria é o que é incluído nos relatórios de sustentabilidade. É evidente que o desenvolvimento de medidas de sustentabilidade válidas e confiáveis ​​é complicado. Muitas vezes, metas concretas e prazos para alcançar um objetivo sustentável são simplesmente excluídos, deixando declarações vagas, como o objetivo de diminuir a emissão e o desperdício de CO₂.

Isso também é problemático quando se trata de comparar o desempenho de sustentabilidade de diferentes empresas. Mesmo quando há relatórios sofisticados, a falta de um sistema universal de medidas torna difícil para os investidores avaliar quais empresas são melhores.

Apesar dessas deficiências, o crescimento do relatório de sustentabilidade nos últimos anos é significativo. Isso mostra que as empresas estão pensando e se forçando – assim como outras – a agir de forma a beneficiar a sociedade em geral, bem como seus ganhos financeiros. E as empresas suecas oferecem inspiração para outros de que existe um case de negócios para se colocar preocupações éticas no mesmo plano que as preocupações econômicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.